Governo de Cabo Verde garante apoio aos estudantes que queiram regressar da China devido ao vírus

“Nós estamos a acompanhar o processo, evidentemente que as pessoas têm liberdade de circulação, aqueles que regressarem e que não estão em zona de quarentena, como Wuhan, por exemplo, terão todo o apoio e acompanhamento aqui em Cabo Verde”, disse o primeiro-ministro cabo-verdiano.

O primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, defendeu esta segunda-feira a liberdade de circulação e garantiu que todos os estudantes que queiram regressar da China por causa do novo coronavírus terão todo o apoio a acompanhando no país.

“Nós estamos a acompanhar o processo, evidentemente que as pessoas têm liberdade de circulação, aqueles que regressarem e que não estão em zona de quarentena, como Wuhan, por exemplo, terão todo o apoio e acompanhamento aqui em Cabo Verde”, disse o primeiro-ministro.

Ulisses Correia e Silva, que falava aos jornalistas, na cidade da Praia, à margem de uma visita à Casa do Empreendedor, adiantou que os Ministério da Saúde e dos Negócios Estrangeiros vão falar sobre um eventual regresso de estudantes cabo-verdianos ao arquipélago.

Na semana passada, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Filipe Tavares, disse que a retirada dos estudantes cabo-verdianos da China não se colocava no momento, porque tal medida contrariava as diretrizes das autoridades chinesas e da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O chefe da diplomacia cabo-verdiana garantiu, por outro lado, que o país estava em contacto com vários parceiros, para a eventualidade de algo em concreto sobre o regresso dos estudantes.

O ministro deu o esclarecimento, depois de um responsável de saúde ter avançado essa possibilidade, com apoio de Portugal, país que recebeu hoje os primeiros cidadãos repatriados da China.

Num comunicado divulgado na sexta-feira, a Direção Nacional de Saúde (DNS) de Cabo Verde garantiu que os hospitais e estruturas de saúde do país já definiram espaços próprios de isolamento para receber casos suspeitos e encomendaram um ‘stock’ de material médico para seis meses.

A mesma fonte adiantou ainda que foram reforçadas as medidas de vigilância “nos pontos de entrada no país, em todos os aeroportos internacionais, com a disponibilização de profissionais para seguir todos os passageiros provenientes do exterior”.

Na China estudam cerca de 350 cabo-verdianos, 15 dos quais estão em quarentena em Wuhan, epicentro do surto.

A China elevou hoje para 362 mortos e mais de 17 mil infetados o balanço do surto de pneumonia provocado por um novo coronavírus (2019-nCoV) detetado em dezembro passado, em Wuhan, capital da província de Hubei (centro), incluindo uma cidadã chinesa que morreu nas Filipinas.

Desde dezembro já surgiram 17.205 casos em toda a China da doença que levou a Organização Mundial de Saúde (OMS) a decretar uma emergência mundial e que já se espalhou a 20 países.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: Cabo Verde interdita voos com origem em Itália por três semanas

Em nota divulgada pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva refere que a resolução, aprovada em reunião do Conselho de Ministros, será publicada na quinta-feira e que o Governo italiano foi “devidamente informado desta medida preventiva, temporária, que se justifica pelo facto de se ter registado um aumento exponencial de casos de pessoas infetadas pela Covid-19 em Itália”.

União Europeia desafia Cabo Verde a incluir dimensão de género nos compromissos futuros

A embaixadora da União Europeia em Cabo Verde lembrou que o programa OGP tem um financiamento de oito milhões de euros e é “uma iniciativa importante na cooperação bilateral” entre o bloco europeu e o país africano.

Portugal e Cabo Verde querem combate ao racismo “todos os dias” com serenidade e inteligência

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu um combate “pela positiva” a manifestações racistas e discriminatórias.
Comentários