Governo de Cabo Verde pode vir a subsidiar a compra das casas do “Projeto Casa para Todos”

Decisão foi anunciada pela Ministra das Infraestruturas e Habitação, Eunice Silva, no final no final de um encontro entre o Governo e as câmaras municipais do país, no âmbito da implementação do Programa de Requalificação, Reabilitação e Acessibilidades (PRRA).

A subsidiação por parte do governo para baixar o preço  de quase  duas mil casas,   da classe  B e  C do Projeto Casa para Todos ,  que a  imobiliária IFH tem para vender poderá ser uma solução para baixar os preços.

A decisão foi anunciada pela Ministra das Infraestruturas e Habitação, Eunice Silva, no final no final de um encontro entre o Governo e as câmaras municipais do país, no âmbito da implementação do Programa de Requalificação, Reabilitação e Acessibilidades (PRRA).

Tendo em mãos dados que provam que apenas 15% da população cabo-verdiana consegue comprar uma habitação que custa cerca de 25 mil euros, a    Ministra das Infraestruturas e Habitação , Eunice Silva, questiona como é possível a IFH  conseguir vender as casas  do projeto Casa Para Todos que custam 45 mil euros.

“O Governo tem que encontrar uma saída. É isso que estamos a discutir com as Câmaras Municipais no sentido de encontrar um saída que pode passar pelo subsidio do Governo para baixar o preço e permitir ao IFH, enquanto empresa que tem responsabilidade para pagar a divida, ter condições para o fazer”, explicou a ministra.

Os preços das casas ainda não estão definidas, mas o governo já tem feito o levantamento das habitações disponíveis para venda que são à volta de duas mil.

“O programa começou com 8 mil casas, neste momento o total são 5 mil casas. As casas cujas obras não tinham começado não arrancamos, as que estavam concluídas foram distribuídas pelo governo anterior, as iniciadas demos continuidade e concluímos. Coloca-se agora o problema da entrega. O governo anterior entregou mil e tal casas e nós entregamos às Câmaras Municipais mais  mil e tal casas da classe A. No total tínhamos  3 mil casas da classe B e  C para vender,  já vendemos mil ficaram 2 mil”, disse Eunice Silva.

Segundo a Ministra das Infra-estrutra e habitação o problema é que as casas não têm procura para sere vendidas  pelo preço que realmente custo, dai o  Governo vai ter que assumir esse diferencial para tentar acelerar o ritmo da venda

Além do custo, Eunice Silva refere que existe outros motivos que tem impedido a venda.

“ A localização é um problema, a falta de rede de esgotos é outro problema e o custo é outro problema. Todos estes fatores estão a contribuir para que a procura seja baixa”, referiu a Ministra das Infra-estrutra e Habitação, que esclarece, no entanto, que nas casas concluídas pelo atual governo  não se coloca o problema de rede esgoto, como são as construídas na ilha de Boavista ou em Palha Sé, na  Cidade da Praia.

O programa casa para todos é de 2010, iniciado com o governo do Partido Africano de Cabo Verde (PAICV), maior partido da oposição,  através de uma linha de crédito de 200 milhões de euros com Portugal.

O atual governo continua a insistir que este programa de habitação “nasceu torto” e que está a procura de soluções para que as casas não continuem  de portas fechadas.

Recomendadas

OMS e Instituto Pasteur ajudam Cabo Verde na sequenciação genómica da Ómicron

A presidente do INSP avançou que o país já tem kits de testes que permitem detetar a circulação de algumas variantes de preocupação, incluindo a Ómicron, mas está igualmente em concertação com Instituto Pasteur de Dacar, para rastrear estas e outras variantes que possam vir a surgir.

Cabo Verde espera aumentar imunidade com vacinas doadas pelos Estados Unidos

Ulisses Correia e Silva disse que esse donativo “muito especial” vai permitir ao país alargar a vacinação para crianças, adolescentes e jovens dos 12 aos 17 anos, esperando aumentar o nível da proteção e a imunização da população.

Gulbenkian investe 600 mil euros em investigação em saúde em Angola, Cabo Verde e Bissau

A fundação explica que os quatro projetos – dois em Angola e um em cada um dos outros países, foram selecionados por um júri internacional, tendo em conta critérios como a relevância, a originalidade, a qualidade da proposta apresentada e o impacto previsível no desenvolvimento de capacidades pessoais do candidato e da instituição.
Comentários