Governo de Cabo Verde vai vender 10% da companhia aérea TACV

“O Governo já fez a venda direta a um parceiro [Loftleidir] de 51% e, neste momento, possui 49% das ações. Destes 49 %, o governo decidiu que 10% serão alienados, sendo que 5% para trabalhadores e 5% para os emigrantes”, explicou o ministro cabo-verdiano Fernando Elísio Freire.

O ministro de Estado, dos Assuntos Parlamentares e da Presidência do Conselho de Ministros de Cabo Verde anunciou, em conferência de imprensa, que o governo vai vender 10% das ações da companhia aérea nacional TACV, através da Bolsa de Valores, ao preço de 1.457 escudos por título. A medida foi aprovada esta quinta-feira na reunião do Conselho de Ministros.

“O governo já fez a venda direta a um parceiro de 51% e, neste momento, possui 49% das ações. Destes 49 %, o governo decidiu que 10% serão alienados, sendo que 5% para trabalhadores e 5% para os emigrantes”, explicou Fernando Elísio Freire.

Para este governante, com essa medida, o executivo cabo-verdiano está a criar todas as condições legais e transparentes para que os trabalhadores e emigrantes possam aceder as ações da TACV.

“São 100 mil ações que serão vendidas na Bolsa de Valores de Cabo Verde, os trabalhadores e os emigrantes é que serão os preferenciais compradores com esta resolução, estamos a criar todas legais para que estes (trabalhadores e os emigrantes) possam aceder a aquisição  destas ações”, avançou.

O governo acredita que a forma como a TACV está, atualmente, a ser gerida, depois da venda direta dos 51% à Loftleidir Cabo Verde, será fácil encontrar parceiros para a venda dos 39%, ainda na posse do Estado.“ A forma como a TACV está a gerida permite a empresa ganhar maior credibilidade”, disse Fernando Elísio Freire.

Segundo o porta-voz do governo, para completar a reforma no setor do aéreo está-se também a trabalhar na concessão dos serviços de handling e na separação do negócio aeroportuário e dos serviços da navegação aérea – sendo que estes últimos continuarão 100% detidos pelo Estado.

A  Loftleidir Cabo Verde pagou 1,3 milhões de euros (cerca de 143 mil contos) por 51% do capital da empresa e prometeu investir  6 milhões de dólares (aproximadamente 5 milhões de euros) na capitalização da empresa.  O Estado assumiu as dívidas antigas da TACV.

Ler mais
Recomendadas

Maioria parlamentar na Guiné-Bissau avisa que protesto é a “última exigência pacífica”

Os partidos da maioria parlamentar da Guiné-Bissau avisaram que a marcha hoje realizada é a última exigência pacífica para a nomeação do primeiro-ministro e formação do Governo, depois das legislativas de 10 de março.

Ministro das Finanças de Cabo Verde apela à livre circulação de pessoas na CPLP

Vice primeiro-ministro e ministro das finanças de Cabo Verde, Olavo Correia, defendeu a necessidade de reforçar a cooperação no plano cientifico, empresarial e económico na CPLP.

Primeiro-ministro de Cabo Verde anuncia que 53 mil alunos serão isentos de propinas

Ulisses Correia e Silva afirma que este investimento significa um “ganho significativo” no acesso à educação e no retorno do rendimento às famílias.
Comentários