Governo disponível para acolher eventual reunião entre sindicatos e Antram

“Se as partes (sindicatos e Antram) quiserem reunir, a DGERT está naturalmente disponível, em qualquer ocasião, como aliás sempre esteve”, adiantou fonte oficial do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social à Lusa.

O Ministério do Trabalho disse hoje que a Direção-geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT) está “naturalmente disponível” para acolher uma eventual reunião na quinta-feira entre os sindicatos dos motoristas e a associação patronal Antram.

“Se as partes (sindicatos e Antram) quiserem reunir, a DGERT está naturalmente disponível, em qualquer ocasião, como aliás sempre esteve”, adiantou fonte oficial do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social à Lusa.

O porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Pedro Pardal Henriques, desafiou hoje a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) para uma reunião, na quinta-feira, às 15:00, na DGERT, em Lisboa.

“Queria lançar aqui um desafio público ao dr. André Almeida, à Antram, para que amanhã [15 de agosto], às 15:00, possa estar na DGERT para falar connosco”, disse Pardal Henriques, em declarações aos jornalistas, em Aveiras de Cima.

O porta-voz do SNMMP desafiou, assim, os responsáveis da Antram a sentarem-se à mesas das negociações, para encontrar uma proposta que agrade a ambas as partes para fazer terminar a greve.

“Cabe à Antram dar um passo atrás para evitar o caos em Portugal. A tendência é piorar”, afirmou.

Para Pardal Henriques, se não houver entendimento, a responsabilidade do que poderá acontecer no futuro cabe ao Governo e à Antram. O advogado pediu ainda aos governantes para terminar, com o que considera ser “uma palhaçada”.

“A responsabilidade do que virá daqui para a frente cabe única e exclusivamente à Antram, ao Governo e ao dr. André Almeida, que tem proferido expressões lamentáveis contra estes motoristas”, frisou.

Por seu lado, Pardal Henriques garantiu que as negociações só decorrerão com o advogado presente e não com o presidente do SNMMP, como a Antram pretende.

Os motoristas de matérias perigosas e de mercadorias cumprem hoje o terceiro dia de uma greve por tempo indeterminado, que levou o Governo a decretar uma requisição civil na segunda-feira à tarde, alegando incumprimento dos serviços mínimos.

A greve foi convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), com o objetivo de reivindicar junto da Antram o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

Ler mais
Relacionadas

PSD acusa Governo de ter privilegiado “aparato coersivo injustificado” na greve dos motoristas

O vice-presidente social-democrata David Justino considera que o Executivo de António Costa dramatizou as consequências da greve e foi “irresponsável” pela forma como alimentou o problema.

Requisição civil pode ser insuficiente. 16% dos postos de abastecimento estão sem combustível

Requisição civil do Governo decorre a ‘meio gás’. Cerca de 489 das bombas estão ‘secas’. De acordo com o site ‘Já Não Dá Para Abastecer’, 593 continuam sem gasolina, 833 não têm gasóleo e 71 estão sem GPL.

Exclusivo: Greve de estivadores no terminal de contentores de Sines está a causar quebras de 25%

Fonte oficial da concessionária do terminal, da PSA de Singapura, garantiu ao Jornal Económico que a quebra de mercadorias movimentadas até ao momento já está a sofrer uma quebra de 25% face ao período homólogo de 2018. Uma queda que se pode agravar até ao final do ano.
Recomendadas

Oficial: Governo decreta fim da crise energética a partir da meia-noite

António Costa fala numa “vitória da democracia e da legalidade democrática” e que Portugal soube mostrar uma “grande maturidade”. Primeiro-ministro revela que a reposição da total normalidade dos combustíveis demorará dois a três dias.

Motoristas de matérias perigosas desconvocam greve ao sétimo dia mas deixam ameaças 

O sindicato admite nova paralisação a horas extraordinárias, fins de semana e feriados caso a associação patronal se mostrar “intransigente” na reunião de amanhã.

Brexit sem acordo levará a escassez de combustível, comida e fármacos

O documento divulgado pelo “Sunday Times” estima também que até 85% dos camiões que atravessam o Canal da Mancha “podem não estar preparados” para as formalidades das alfândegas francesas, o que provocaria longas filas que podem prolongar-se por dias.
Comentários