Governo diz que expansão do Metro de Lisboa vai servir para dinamizar a economia e criar emprego perante crise da Covid-19

O prolongamento das linhas Amarela e Verde – Rato representa um investimento total de 276 milhões de euros, com a obra a estar concluída em 2023. Ministro do Ambiente diz que continuação da obra é importante para a “dinamização da economia e para a criação de emprego” perante a crise provocada pela Covid-19.

O Metropolitano de Lisboa vai continuar o seu plano de expansão da rede, garantiu hoje o ministério do Ambiente e da Ação Climática. A obra não vai parar nem perante a crise económica provocada pela Covid-19, garante o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes.

O prolongamento das linhas Amarela e Verde – Rato – Cais do Sodré representa um investimento total de 276 milhões de euros, com a obra a estar concluída em 2023. O investimento prevê o prolongamento da linha de metro em 1.900 metros e a construção de duas novas estações – Estrela e Santos – para ligar o Rato ao Cais do Sodré.

O ministro do Ambiente assinou hoje um despacho a indicar que o Metropolitano de Lisboa “deve continuar a executar os procedimentos administrativos necessários à aquisição de material circulante, modernização da sinalização e concretização do Plano de Expansão da rede do Metropolitano de Lisboa – Prolongamento das Linhas Amarela e Verde – Rato – Cais do Sodré, bem como os procedimentos conexos com esses projetos, nomeadamente os respetivos procedimentos de contratação pública”.

A decisão de não travar este investimento está assente em três pontos. Primeiro, por o  Presidente da República ter considerado que a decisão da Assembleia da República “não têm efeito vinculativo e que, em rigor, a Assembleia da República não suspendeu qualquer decisão administrativa, limitando-se a formular recomendação política, dirigida ao Governo e à Administração Pública em geral, sobre a aludida matéria”.

Depois, que  a “realização de todos os procedimentos de contratação pública para aquisição de material circulante, modernização da sinalização e do Plano de Expansão da rede do Metropolitano de Lisboa são urgentes e críticos para o interesse público, pois concretizam iniciativas de investimento público fundamentais para a dinamização da economia e para a criação de emprego, o que é especialmente importante perante os efeitos sobre a economia que a pandemia do Covid-19 já está a provocar em todo o Mundo e em Portugal”.

Por último, o plano de expansão recebeu 83 milhões de euros fundos comunitários do Fundo de Coesão tendo sido aprovado como “Grande projeto europeu”.

A 23 de março, o Presidente da República anunciou que decidiu não realizar nenhum pedido de fiscalização preventiva ao Tribunal Constitucional do Orçamento do Estado, e que considerou que a decisão do Parlamento não servia para suspender a expansão do Metropolitano de Lisboa.

“Nem mesmo aquela que maior debate motivou, a saber, a da eventual violação do princípio da separação e interdependência dos poderes do Estado, na sua dimensão de respeito da reserva de Administração, no caso de alegada deliberação parlamentar suspendendo decisão administrativa sobre a concretização de linha circular do metro de Lisboa”, disse Marcelo Rebelo de Sousa em nota publicada na Presidência.

“Em rigor, a Assembleia da República não suspendeu qualquer decisão administrativa, limitando-se a formular recomendação política, dirigida ao Governo e à Administração Pública em geral, sobre a aludida matéria”, declarou o Presidente.

Recorde-se que em fevereiro, o Parlamento aprovou a suspensão por um ano do início da construção desta linha de forma a realizar um estudo. Esta medida foi aprovada por PSD, Bloco de Esquerda, PCP e PAN e Chega. O PS votou contra, enquanto CDS e a Iniciativa Liberal abstiveram-se.

Presidente dá ‘luz verde’ à linha circular do Metro de Lisboa

Ler mais
Recomendadas

Claranet Portugal abre 25 vagas para equipa internacional

As 25 vagas estão distribuídas por três perfis de profissionais para um projeto em plataformas microsoft azure, cloud specialist, cloud architect e cloud consultant, sendo que o início das colaborações está previsto para o início de 2021.

Airbus regista prejuízo de 2.686 milhões de euros até setembro

A empresa assumiu também um encargo de 1,2 mil milhões de euros para custos de reestruturação, que, tal como anunciado em junho, implicará uma redução da mão-de-obra em 15 mil efetivos, de um total de 130 mil trabalhadores.

Lucros da Telefónica caem 50% para 1.142 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano

Segundo a Telefónica, as receitas operacionais antes da depreciação caíram 2,8%, para 2.672 milhões de euros, devido à deterioração dos seus ativos na Argentina.
Comentários