Canadá vai financiar programa internacional de combate à pesca ilegal

O Canadá vai reforçar o combate à pesca ilegal. De acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, a pesca ilegal representa até 26 milhões de toneladas de peixes capturados anualmente, avaliados entre os 10 e 23 mil milhões de dólares (entre 8 e 18,7 mil milhões de euros). A nível internacional, […]

Reuters

O Canadá vai reforçar o combate à pesca ilegal. De acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, a pesca ilegal representa até 26 milhões de toneladas de peixes capturados anualmente, avaliados entre os 10 e 23 mil milhões de dólares (entre 8 e 18,7 mil milhões de euros).

A nível internacional, a pesca ilegal não declarada e não regulamentada (IUU) é um dos principais contribuintes para o declínio do stock de peixes e destruição do habitat marinho. O ‘Fisheries and Oceans Canada’ lançou um novo programa em colaboração com o Centro de Ciência de Segurança do Departamento de Defesa Nacional, Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa do Canadá, Assuntos Globais do Canadá e a empresa aeroespacial MDA para detetar embarcações de pesca ilegais.

O programa ‘Dark Vessel Detection’, de 7 milhões de dólares (5,7 milhões de euros), usa tecnologia de satélite para localizar e rastrear embarcações cujos dispositivos de transmissão de localização foram desligados, a grande maioria com o objetivo de escapar à monitorização, controlo e vigilância.

O programa fornecerá dados de satélite de última geração e análises para pequenas nações insulares e estados costeiros, incluindo Portugal, em todo o mundo onde a pesca IUU tem um grande impacto nas economias locais e segurança alimentar.

Segundo um comunicado do governo canadiano, uma das principais preocupações prende-se com “o impacto da pesca IUU na segurança alimentar, onde os recursos pesqueiros de comunidades costeiras vulneráveis ​​estão ameaçados pela pesca ilegal, afetando milhões de pessoas”.

Identificar embarcações ilegais permitirá que alguns países mais pequenos concentrem as suas investigações e maximizem esforços de fiscalização para proteger os seus stocks de peixes.

Os parceiros do programa incluem a Forum Fisheries Agency (que representa 15 pequenas nações insulares na região do Pacífico) e a Autoridade Marítima do Equador, Direção Nacional de Espaços Aquáticos (que é responsável pela vigilância e controlo no domínio marítimo equatoriano).

Em dezembro de 2020, as autoridades canadianas e equatorianas assinaram um memorando de entendimento para formalizar a parceria e aumentar a vigilância ao redor das Ilhas Galápagos – um local considerado Património Mundial da UNESCO.

O programa ‘Dark Vessel Detection’ está integrado no investimento de 11,6 milhões de dólares (9,4 milhões de euros) em compromissos do Canadá com a saúde oceânica anunciados na reunião do G7 de 2018 em Halifax, Nova Escócia.

A empresa que a Agência Espacial Canadiana (CSA – sigla em inglês) deu à MDA um contrato para desenvolver e construir o ‘Canadarm3’ (satélite) como parte da contribuição do Canadá para o Programa Lunar Gateway liderado pela NASA foi escolhida para ajudar a resolver o problema relacionado com a pesca ilegal.

O fabricante canadiano de Robótica Espacial e Canadarm2, MDA, anunciou que obteve um contrato de três anos com os departamentos de Pesca e Oceanos e Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa do Canadá para usar tecnologia de satélite com o objetivo de detetar embarcações que praticam atividades ilegais, relacionada com a pesca não regulamentada/ilegal (IUU). O contrato será válido por um período de três anos.

Ler mais
Recomendadas

Matos Fernandes preside a reunião dos ministros do Ambiente da União Europeia

O impacto das alterações climáticas na gestão da água é o tema principal deste encontro.

Agravamento das desigualdades sociais e fraco investimento são principais entraves no rumo à sustentabilidade

O presidente do Conselho Nacional de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e antiga presidente da Liga para a Protecção da Natureza apontaram estes dois factores como elementos essenciais no rumo à descarbonização e sustentabilidade durante o webinar #4OurFuture, organizado pela BasN e do qual o Jornal Económico foi ‘media partner’.

Jair Bolsonaro acredita que o Brasil vai alcançar neutralidade carbónica em 2050

Esta é a meta mais ambiciosa estabelecida pelo líder de extrema direita que parece ter mudado a sua posição relativamente à crise climática.
Comentários