Governo estuda emissão de obrigações para empresas industriais

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

Se esta emissão, com candidaturas abertas entre 17 de junho e 15 de julho “correr bem vamos procurar alargar isto a outros setores nomeadamente ao industrial”, adiantou Pedro Siza Vieira em declarações à agência Lusa.

Em causa está uma emissão agrupada de obrigações para pequenas e médias empresas (PME) de turismo, com um prazo de sete anos e que consiga atingir os 100 milhões de euros.

“Estamos a trabalhar nisto há uns meses, a montar a estrutura necessária para o efeito a lançar estudos para preparar a operação e a testar o apetite do mercado”, referiu o ministro, questionado sobre a escolha da altura para lançar a emissão.

“Vamos ver se conseguimos lançar estas operações em outros setores. Esta vai ser a primeira vez que fazemos estas operações grupadas destinadas a PME”, salientou.

“O que temos visto são emissões de obrigações de grandes empresas porque os custos associados à emissão de obrigações normalmente são muito elevados e só se justificam para montantes muito significativos”, justificou o ministro.

Siza Vieira recordou ainda que este tipo de operação “obriga a que as empresas emitentes prestem um conjunto de informações e assegurem um conjunto de requisitos que normalmente é difícil às PME conseguirem sozinhas”.

O programa Capitalizar, aliás, tinha previsto lançar formas de financiamento alternativas para as empresas, “para não estarem exclusivamente dependentes do crédito bancário”, referiu o governante.

O ministro acredita que este é um primeiro passo para que o mercado se habitue às emissões de obrigações agrupadas para PME, tendo em conta que o risco é minimizado graças à garantia da Sociedade Portuguesa de Garantia Mútua.

O empréstimo obrigacionista vai contar com uma garantia pública, através do Fundo de Contragarantia Mútuo, que cobrirá o risco de cerca de 30% da operação.

“O sistema está montado para que as empresas que reunirem uma série de requisitos em matéria de solidez financeira e económica possam apresentar candidaturas para poderem participar nesta primeira emissão. Se forem selecionadas, em setembro, quando contamos ir ao mercado, poder-se-á levantar até 100 milhões de euros que serão depois reembolsados pelas empresas participantes”, explicou.

A emissão é dirigida a investidores institucionais nacionais e estrangeiros como fundos de investimento e pensões, sendo que as taxas de juros da operação só serão definidas posteriormente.

O ministro Pedro Siza Vieira e a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, estão hoje no Porto a apresentar a emissão de obrigações do turismo.

Ler mais
Recomendadas

Rui Patrício nomeado para Fundação Coleção Berardo após demissão de administrador do Estado

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, nomeou o advogado para a administração da fundação no seguimento da renúncia ao mandato de João Nuno Azevedo Neves. Demissão de administrador nomeado pelo Estado surge no âmbito do processo de guarda do arresto das cerca das 1.000 obras de arte José Berardo que estão no CCB , tal como noticiado nesta terça-feira, 17 de Setembro pelo Jornal Económico.

UTAO: Novo Banco atira défice para 0,8% do PIB no 1.º semestre

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.

Região norte é a que mais cresce no setor do turismo em Portugal

O Porto e norte de Portugal afirmou-se, durante o mês de Julho, como o destino que mais cresce na actividade turística no todo do contexto nacional. Dormidas totais registam aumento de perto de 12%,  o que corresponde a 1,1 milhões de dormidas.
Comentários