Governo francês “reticente” quanto a passaporte de vacinação europeu

A França está “reticente” quanto à criação de um passaporte comunitário de vacinação contra a Covid-19 e considera que esta questão não deve ser tratada no Conselho Europeu da próxima semana, admitiu o secretário de Estado dos Assuntos Europeus.

Gonzalo Fuentes/Reuters

“Nós temos muitas reticências”, afirmou hoje Clément Beaune em declarações à radio France Info, reproduzidas pela agência de notícias francesa AFP, nas quais o governante reconheceu que “é muito prematuro” ainda “falar de um papel, um documento, que autorize a viajar na Europa”.

A mesma fonte considerou que este “é um debate que não tem razão de ser” e que “seria chocante, quando se inicia em todo o lado esta campanha de vacinação na Europa, que houvesse pessoas com mais direitos que outras”.

“Essa não é a nossa conceção da proteção e do acesso às vacinas”, justificou o governante gaulês.

Clément Beaune reagiu assim à ideia avançada pelo primeiro-ministro da Grécia para que a União Europeia adote um certificado “estandardizado” de vacinação para dar um impulso à indústria turística, uma das atividades económicas mais afetadas pela pandemia de covid-19.

A ideia de criação de um documento de vacinação conta com a posição favorável da Comissão Europeia, de acordo com a sua presidente, Úrsula von der Leyen, que disse tratar-se de um “imperativo médico”.

Esta visão não é partilhada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que disse ser “de momento” contra a iniciativa à escala planetária.

“Esta é uma ideia (…) sobre a qual a França considera que não se deve abrir debate agora. Quando o acesso à vacinação esteja generalizado, já será outra questão”, argumentou ainda o secretário de Estado francês dos Assuntos Europeus.

Por outro lado, o ministro da Europa e dos Negócios Estrangeiros de França, Jean-Yves Le Drian, abordou a situação dos trabalhadores fronteiriços, que quantificou em 350.000 franceses, e defendeu um “reforço no seio do espaço europeu das medidas de controlo”, mas sem haver um encerramento das fronteiras no espaço Schengen.

“Vamos verificar também o tipo de testes que podem ser exigidos”, acrescentou, avançando a possibilidade de criar “uma lista de testes de antígenos que sejam reconhecidos em toda a Europa”, uma situação que “ainda não acontece”.

Ler mais
Recomendadas

PremiumExploração espacial: Todos os caminhos vão dar a Marte

O planeta vermelho está por estes dias cheio de trânsito: três missões – dos Estados Unidos, da China e dos Emirados Árabes Unidos – evoluem em paralelo, na tentativa de darem a perceber melhor as suas caraterísticas, até porque a NASA pretende trazer amostras recolhidas pela Perseverance de volta para a Terra. Entre o sonho humano de chegar sempre mais longe e a vontade política de comandar esse sonho, Marte é a próxima fronteira.

PremiumPablo Hasél: Rap para aquecer as noites frias do inverno catalão

Um rapper está preso desde o dia seguinte às eleições na Catalunha. Não será motivo suficiente para explicar o incêndio que volta a devastar Barcelona: o impasse político com Madrid mantém-se e parece mesmo ter possibilidade de aumentar. Entretanto, ainda ninguém sabe como será o próximo governo da autonomia.

Pokémon comemora 25 anos em alta com ajuda da pandemia

O vídeojogo Pokémon, uma das franquias globais mais bem sucedidas, assinala hoje 25 anos da estreia no Japão, agora reforçado pela pandemia da covid-19 que tem impulsionado o entretenimento digital.
Comentários