Governo quer 200 mil trabalhadores com requalificação de competências até 2025

O Plano de Recuperação prevê ter 200 mil trabalhadores envolvidos em programas de requalificação de competências, com foco no digital, ao abrigo do “Emprego+Digital”. Programa será lançado no terceiro trimestre deste ano. O Governo quer ainda ter mais 800 mil trabalhadores com diagnósticos de competências digitais e planos de formação individual até ao terceiro trimestre de 2025.

O Governo comprometeu-se com Bruxelas em ter 200 mil trabalhadores de empresas envolvidos em programas de requalificação de competências, com foco no digital, até ao terceiro trimestre de 2025. Esta é uma das metas inscritas no Programa de Recuperação e Resiliência (PRR) enviado à Comissão, cuja versão integral foi publicada este domingo à noite. O programa será lançado ainda no terceiro trimestre deste ano, segundo o calendário previsto.

No âmbito da capacitação digital das empresas, o Executivo português apresenta no PRR duas metas concretas a serem concretizadas até ao terceiro trimestre de 2025. A primeira no âmbito do “Emprego+Digital” prevê ter 200 mil “trabalhadores de empresas envolvidos em programas de reskilling e upskilling presenciais, com foco nas competências digitais que enderecem as oportunidades e desafios específicos dos setores empresariais”. Segundo o cronograma será ainda no terceiro trimestre deste ano que irá identificar os domínios de capacitação relevantes para cada setor empresarial, bem como parceiros e stakeholders para a implementação do programa “Emprego+Digital” e lançar o programa de formação.

O programa será gerido pelo IEFP e implementado em parceria com a EMPD, as confederações empresariais, as associações empresariais associadas das confederações, centros de formação públicos e privados e instituições de ensino superior e segue o modelo do programa “Emprego+Digital”, lançado em 2020.

Paralelamente no âmbito da “Academia Portugal Digital”, prevê ter 800 mil trabalhadores com “diagnósticos de competências digitais, planos de formação individual e acesso a formação online” até ao terceiro trimestre de 2025. O Governo estipula nos milestones do investimento na capacitação digital das empresas até ao terceiro trimestre deste ano avançar com a “Academia Portugal Digital”, com o lançamento da plataforma online, definição dos processos de diagnóstico e disponibilização de formação online.

O PRR prevê que esta plataforma e programa de desenvolvimento de competências digitais irá permitir aos trabalhadores das empresas fazerem “uma autoavaliação do atual nível de competências digitais, considerando o quadro português de competências digitais (QDRCD) baseado na DigComp”, de forma a terem um plano personalizado de capacitação em competências digitais com metas concretas, bem como acederem a recursos de formação online que permitam adquirir novas competências e desenvolverem “um passaporte pessoal que discrimine e centralize a informação das competências digitais do trabalhador (em articulação sempre que justificável com outras sistemas já existentes, nomeadamente o passaporte Qualifica)”.

“Relativamente ao tecido empresarial, esta plataforma deve também permitir uma avaliação das competências digitais de cada empresa participante e contribuir para a identificação de prioridades de formação contínua, recrutamento e investimento”, pode ler-se no PRR, que define que a plataforma será desenvolvida e gerida pela Estrutura de Missão Portugal Digital (EMPD), em articulação com o IEFP, ANQEP e FCT. No entanto, abre a porta a que outros parceiros públicos e privados sejam envolvidos no projeto, nomeadamente as instituições de ensino superior, centros de formação, plataformas online de formação, fabricantes de software, bem como outros stakeholders públicos e privados, a par das confederações e associações empresariais.

O financiamento previsto no PRR para o conjunto dos dois programas é de 100 milhões de euros.

Ler mais

Recomendadas

PremiumFFMS sinaliza lições da Grande Recessão para a saída da crise

Apesar das diferenças óbvias, existem semelhanças preocupantes entre as crises de 2008 a 2013 e a da Covid-19. Desde logo, o risco de aumento de empresas zombie preocupa Carlos Carreira, coordenador do estudo sobre a Grande Recessão.

Sonae IM investiu 200 milhões de euros em cinco anos em mais de 40 tecnológicas, revela presidente executivo

“Vimos que havia uma oportunidade interessante, uma área de crescimento forte” em empresas de tecnologia, onde se inclui “o benefício que traria aos negócios da Sonae na altura”, conta o presidente executivo, Eduardo Piedade.

PremiumDéfice revisto em alta enquanto dívida diminui ainda mais

Bruxelas espera défice superior face há três meses, mas dívida beneficiará do diferencial taxas de juro-crescimento.
Comentários