PremiumGoverno redesenha futuro do ensino superior com instituições e empresas

A aposta passa por CTeSP e mestrados profissionalizantes especialmente orientados para o mercado de emprego. O diálogo academia-empresas é fundamental num futuro cada vez mais tecnológico.

Manuel Heitor vai estar no terreno até dia 1 de junho. Leva consigo o documento “Skills 4 pós-Covid – Competências para o futuro”, que vai aprofundar com dirigentes académicos, estudantes, docentes e empregadores. A iniciativa promovida pela Direção Geral do Ensino Superior, em articulação com a OCDE e em colaboração com as instituições de ensino superior e as empresas públicas e privadas, visa reforçar a resposta das universidades e dos politécnicos portugueses aos desafios impostos pela Covid-19.

O roteiro do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior inclui o ISCTE-IUL em Lisboa, que será a próxima paragem da iniciativa, já segunda-feira, 25, e a seguir a UMinho, a Universidade do Algarve e o Politécnico de Bragança. O périplo começou no Politécnico de Castelo Branco e prosseguiu, anteontem, no de Leiria. Terça-feira esteve na Invicta. António Sousa Pereira, reitor da Universidade do Porto, acolheu a iniciativa na primeira sessão presencial após o confinamento, a que o Jornal Económico assistiu.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Tecnologia OutSystems integra plano curricular de 13 universidades portuguesas

Programa, lançado há um ano, oferece licenciamento gratuito da plataforma low-code às universidades que queiram usá-lo para fins educacionais.

Investigadores de Coimbra vão ajudar a impulsionar ensino da astronomia no mundo

Nuno Peixinho e Rosa Doran representam Portugal no recém-criado gabinete de ensino da União Astronómica Internacional, que visa promover a astronomia nos currículos nacionais.

Reitores de universidades querem aulas presenciais em setembro e verba no Orçamento Suplementar

O Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas antevê uma quebra das receitas próprias das instituições em virtude da crise pandémica e pede ao Governo que acautele o problema no Orçamento que está a preparar.
Comentários