Governo reforça verbas para compra de computadores

Em comunicado, o Conselho de Ministros indica que esta medida também se aplica na compra de serviços de impressão, envelopes, expedição e distribuição e tratamento de correio por parte de organismos do Ministério da Justiça.

O Governo aprovou, em Conselho de Ministros (CM) esta quinta-feira, o reforço das verbas para a compra de computadores, numa altura em que os alunos se preparam para regressar ao ensino via online na próxima segunda-feira.

Em comunicado, o Conselho de Ministros indica que esta despesa se aplica ao acesso e utilização de recursos didáticos, “no processo de ensino e aprendizagem, nos estabelecimentos de ensino públicos e particulares e cooperativos com contratos de associação, resultante da adoção generalizada do regime não presencial em resposta ao agravamento da situação epidemiológica”.

O Conselho de Ministros esclarece que esta verba também se aplica para a compra de serviços de impressão, envelopes, expedição e distribuição e tratamento de correio por parte de organismos do Ministério da Justiça.

Por outro lado, é também disponibilizada uma verba para a realização de despesa pelas Administrações Regionais de Saúde do Norte, do Centro, de Lisboa e Vale do Tejo, do Alentejo e do Algarve e das instituições de abrangência no âmbito do programa nacional de vacinação para 2021.

Recomendadas

Erasmus+: 26 mil milhões para apoiar mobilidade estudantil

Apresentado pela Presidência Portuguesa da União Europeia, o novo Erasmus+ quase duplica o orçamento anterior. Inclusão, digital e sustentabilidade são as novas áreas de aposta. Portugal quer triplicar o número de beneficiários do programa em 2021|27.

António Sampaio da Nóvoa: “É difícil identificar um património mais importante do que a língua portuguesa”

Comemora-se esta quarta-feira o Dia Mundial da Língua Portuguesa. António Sampaio da Nóvoa, embaixador de Portugal na UNESCO, grande impulsionador desta proclamação, destaca em entrevista ao Jornal Económico o valor único deste património.

Metade dos jovens portugueses não distingue opinião de facto na Internet, conclui estudo da OCDE

“Menos de metade dos jovens não distingue factos de opiniões. Antes, os jovens liam na enciclopédia e sabia-se que o que estava lá escrito era verdade. Agora procuram informação na internet” alertou o diretor da OCDE para a Educação, Andreas Schleider.
Comentários