PremiumGoverno sem plano para coronavírus na função pública

Sindicatos da Administração Pública alertam para inexistência de instruções para lidar com Covid-19. Reclamam segurança de funcionários e utentes.

António Costa Assina OE2020

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap) alerta para a inexistência de instruções relativas à prevenção e controlo do coronavírus ao nível dos funcionários públicos. E assegura que vai questionar o Governo sobre as medidas e planos de contingência, nomeadamente para os trabalhadores mais expostos nos serviços com maior afluência de pessoas. Também a Associação dos Profissionais da Inspeção Tributária (APIT) reclama informação específica para os funcionários da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) para garantir a segurança destes profissionais e dos utentes. Os sindicatos realçam que recentes instruções da Direção-Geral de Saúde (DGS) para as empresas deviam ser estendidas para a Administração Pública.

“Desconhecemos que haja qualquer tipo de instrução, orientação e procedimentos de prevenção e controlo no sentido de que os serviços da Administração Pública estejam protegidos do coronavírus”, disse ao JE José Abraão, secretário-geral da Fesap, realçando que a estrutura “não conhece nenhuma instrução concreta dirigida aos trabalhadores da Administração Pública, nomeadamente para serviços por onde passam diariamente milhares de pessoas”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumAmeaça de recessão global ganha força devido ao coronavírus

Abrandamento do crescimento da economia global já é dado como certo, mas analistas não descartam a possibilidade de uma recessão. Em Portugal, exportações e consumo serão penalizados.

PremiumNovo Banco fecha venda dos Pinheirinhos para a semana

A Vic Properties vai fechar a compra da Herdade dos Pinheirinhos, um dos ativos fiscalizados pelo Fundo de Resolução, na próxima semana.

PremiumTurquia quer apoio de Bruxelas para levar NATO a envolver-se na Síria

Desta vez não é dinheiro que Ancara exige. Solução para a crise dos refugiados passa por envolvimento mais profundo da Europa no cenário de guerra da Síria.
Comentários