Governo substitui administração e reorienta o Arsenal do Alfeite

O Ministério da Defesa Nacional vai escolher uma nova administração para o Arsenal do Alfeite para “uma reorientação” do estaleiro que passa pela sua internacionalização.

Cristina Bernardo

O Ministério da Defesa Nacional vai escolher uma nova administração para o Arsenal do Alfeite para “uma reorientação” do estaleiro que passa pela sua internacionalização, foi hoje anunciado.

Num comunicado enviado à Lusa, o ministério não se refere explicitamente à demissão da administração, hoje divulgada pela comissão de trabalhadores e dos sindicatos, refere a necessidade de “uma reorientação da empresa Arsenal do Alfeite, através de uma estratégia que reforce e aprofunde a capacidade de criação de valor e de internacionalização da empresa”.

A decisão de nomear novos administradores foi comunicada esta semana pelo Governo à administração do Arsenal do Alfeite, que hoje informou a comissão de trabalhadores e o Sindicato dos Trabalhadores Civis das Forças Armadas e Empresas de Defesa (STEFFAs).

Os novos administradores “serão eleitos pelo acionista Estado” logo que “estiver concluído todo o processo legal para o efeito”, lê-se no esclarecimento, em que é assinalado que o “Governo norteia o processo de formação das equipas em função dos objetivos fixados para as empresas em causa e para a economia da Defesa como um todo”.

“As novas equipas de gestão serão submetidas, nos termos da lei, a apreciação pela CRESAP [Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública], e é convicção do Governo que as mesmas reúnem o conjunto de competências, experiência do setor, e de novas áreas de negócio, que permitirão concluir com sucesso o processo de reestruturação iniciado em 2014”, escreve o Ministério da Defesa.

Na sequência da reestruturação das participações do Estado no setor da Defesa, o executivo considerou “imprescindível proceder também a uma reorientação da empresa Arsenal do Alfeite, através de uma estratégia que reforce e aprofunde a capacidade de criação de valor e de internacionalização da empresa”.

E considerou “imperioso o aproveitamento do enorme ‘know-how’”, nomeadamente “ao nível da engenharia naval” e “desenvolver uma estratégia de promoção e internacionalização da prestação de serviços e diversificação de clientes”, de acordo com o comunicado.

Ler mais
Recomendadas

TAP? “Espero que seja menos que os cinco mil milhões”, diz Catarina Martins

Para Catarina Martins, “seria péssimo fazermos de conta que sabemos qual é o tempo que a crise vai durar”. No entanto, diz esperar que seja possível que o auxílio à TAP fique abaixo de cinco mil milhões de euros.

Rio critica estratégia de “ostracizar” extrema-direita e prefere traçar “linhas vermelhas”

O presidente do PSD, Rui Rio, criticou hoje a estratégia que considera estar a ser seguida na Europa de “ostracizar” a extrema-direita, admitindo ser preferível aceitar o apoio desses partidos, mas sem “nunca permitir que passem linhas vermelhas”.

Movimento acusa ministro “de pagar favor” à EDP com grupo de trabalho para avaliar impacto da venda de barragens

“Uma mão cheia de nada”, responde o Movimento Cultural da Terra de Miranda ao relatório final do grupo de trabalho teve como principal como função analisar e aprofundar os impactos da venda das seis barragens situadas no Douro. Alerta que dos investimentos anunciados de 91 milhões de euros para 10 municípios, só 55 milhões se referem a projetos novos.
Comentários