Governo vai suspender devolução dos manuais escolares

“Orçamentalmente e financeiramente, toda esta operação vai implicar agora uma dotação de cerca de 150 milhões de euros que não estavam previstos, nem ficaram previstos, no Orçamento Suplementar”, lamentou o ministro da Educação

Guto / Âmago

O ministro da Educação informou hoje que o Governo vai suspender a devolução de manuais escolares, em curso desde 26 de junho, cumprindo a decisão do parlamento, que aprovou uma proposta nesse sentido.

O plenário da Assembleia da República validou hoje a votação da Comissão de Orçamento e Finanças (COF), no âmbito da especialidade do Orçamento Suplementar, que aprovava a proposta do CDS para o fim da devolução dos manuais escolares.

Questionado se o Governo iria ou não suspender a devolução dos manuais, Tiago Brandão Rodrigues afirmou que o executivo cumprirá a decisão dos deputados, que o ministro já tinha considerado pôr em causa um processo complexo.

“Orçamentalmente e financeiramente, toda esta operação vai implicar agora uma dotação de cerca de 150 milhões de euros que não estavam previstos, nem ficaram previstos, no Orçamento Suplementar”, lamentou.

“Aquilo que tínhamos vindo a construir era um sistema de gratuitidade que tinha sustentabilidade, que tinha também uma questão pedagógica associada”, sublinhou, referindo que o próximo ano letivo seria o “mais importante no que toca à reutilização”, já que a maioria dos manuais do 3.º ciclo e secundário seriam, pela primeira vez, reutilizados.

Depois de aprovado pela Assembleia da República, o Orçamento Suplementar terá de ser promulgado pelo Presidente da República, mas o Ministério da Educação não vai esperar pela decisão de Marcelo Rebelo de Sousa.

“Obviamente temos de dar previsibilidade às escolas”, referiu o ministro, explicando que a suspensão das devoluções implica alterar os protocolos de um processo que já estava em curso.

O prazo para a entrega já tinha arrancado no dia 26 de junho e terminaria em 28 de julho, mas algumas famílias já procederam à devolução dos manuais.

“É importante que agora exista um plano para poder compaginar aquilo que nós estávamos a fazer com aquilo que foi decidido na Assembleia da República e as escolas serão informadas oportunamente, acima de tudo, para que ninguém fique lesado em todo este processo”, assegurou o ministro.

Ler mais
Relacionadas

Pandemia faz disparar despesa dos politécnicos. Défice estimado de 10 milhões este ano

O número resulta de um levantamento feito pelo Conselho Coordenador, concluído a 30 de junho, e já está na posse do ministro Manuel Heitor, revelou esta sexta-feira, no Parlamento, Pedro Dominguinhos, presidente do CCISP.

Próximo ano letivo vai ter mais tempo de aulas e menos férias, anuncia Governo

“Aumentamos o número de dias de aulas do próximo ano, encurtando, por um lado, a pausa letiva da Páscoa e prolongando a duração do ano letivo para os anos de escolaridade que não estão sujeitos a exame”, explicou.

Ajuda de Berço, Academia do Johnson, Associação Salvador e Crescer Ser recebem 7.500 euros cada do Santander

No total houve 133 candidaturas à 3ª edição do Donativo Participativo, em três áreas de atuação: Empreendedorismo e Criação de Emprego, Bem-estar social e Meio Ambiente.
Recomendadas

“Silêncio de hoje tornará inoportunas críticas de amanhã”. PS lamenta falta de ideias da direita para fundos europeus

O secretário-geral adjunto do Partido Socialista (PS), José Luís Carneiro, lamenta que, até ao momento, os partidos da direita não tenham apresentado qualquer ideia e desafia-os a apresentarem propostas até ao final de agosto.

PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

André Ventura rejeita qualquer hipótese de entendimentos entre o Chega e o PSD ou CDS-PP

O presidente demissionário e deputado único do Chega, André Ventura, diz que o Chega “não está à venda” nem tem intenção de se tornar “o CDS do século XXI” e deixa a mesma resposta para o PSD e CDS-PP: “Não obrigado, não queremos nem aceitamos” acordos ou entendimentos.
Comentários