Grécia canaliza mais ajuda financeira para travar efeitos do vírus

Estas medidas de apoio financeiro a trabalhadores e empresas ascendem a 6,8 mil milhões de euros.

O governo da Grécia anunciou novos incentivos fiscais e de assistência económica a milhares de empresas e respetivos trabalhadores, de forma a amortecer o impacto do vírus numa economia já fragilizada, avança a ‘Reuters’.

As estimativas governamentais apontam para uma contração de 3% na economia grega devido à rápida propagação do vírus. De relembrar que o país emergiu do terceiro resgate internacional do FMI em 2018, após mais de uma década em crise.

“Respeitamos os enormes sacrifícios do povo grego durante os últimos anos”, disse Christos Staikouras, ministro das Finanças. “Estamos a implementar políticas para manter a economia viva”, acrescentando que o impacto do vírus deve ser a curto-prazo.

De acordo com a ‘Reuters’, as medidas de apoio incluem um benefício para 1,7 milhões de trabalhadores, ou 81% dos trabalhadores do setor privados cujos empregos e pagamentos para a Segurança Social estão suspensos durantes os próximos 45 dias, sendo que esta medida também é aplicada a trabalhadores independentes. Mais de 800 mil empresas têm o pagamento de IVA e impostos em atrasos suspensos devido ao novo coronavírus.

Estas medidas de apoio financeiro a trabalhadores e empresas ascendem a 6,8 mil milhões de euros.

Com 1.156 casos registados na Grécia e 41 óbitos, o governo estima que mais de oito mil pessoas possam estar infetadas e impôs um bloqueio nacional, restringindo a livre circulação de pessoas e proibindo chegadas de países fora da União Europeia, bem como Itália, Espanha, Alemanha e Reino Unido, os seus principais mercados turísticos mas também os que verificam mais casos.

O setor do turismo na Grécia espera perdas de receitas de milhões de euros, sendo que o turismo representa um quinto do PIB do país e um em cada cinco empregos foram criados devido ao setor.

Ler mais
Recomendadas

Infografia | Lisboa e Vale do Tejo a ‘vermelho’. Concelhos de Lisboa e Sintra somam 77 infetados nas últimas 24 horas

Números revelados pelo último boletim epidemiológico Direção-Geral de Saúde mostram que a região de Lisboa e Vale do Tejo continua a liderar largamente os dados das novas infeções, sendo responsável por 90% dos infetados diários a nível nacional. Por concelhos, Lisboa e Sintra é onde se regista um maior crescimento do número de infetados por Covid-19.

Ministra admite que a precariedade na Cultura está “mais visível” mas sem solução “em dois meses”

Segundo a ministra, o Governo está “a trabalhar” e assumiu “o compromisso de, ao longo deste ano, resolver as questões laborais, de carreiras contributivas” ou “de descontos” destes profissionais, entre outras matérias.

Lisboa e Vale do Tejo com 90% dos novos casos

Os 382 novos casos reportados estão distribuídos regionalmente da seguinte forma: Lisboa e Vale do Tejo 345, Norte 21, Centro 10, Alentejo três, Algarve dois e Açores um. A Região Autónoma da Madeira não registou novas infeções nas últimas 24 horas.
Comentários