Greve dos motoristas divide posições no Bloco de Esquerda

O deputado bloquista Pedro Soares, que está de saída da Assembleia da República, critica a atuação do BE no processo que levou à greve, considerando que “o ‘gerigoncismo’ embotou o raciocínio político de muito boa gente”.

A greve dos motoristas das matérias perigosas e mercadorias, que cumpre esta quarta-feira o terceiro dia, está a dividir o Bloco de Esquerda (BE). O deputado bloquista Pedro Soares, que está de saída da Assembleia da República, critica a atuação do BE no processo que levou à greve, considerando que “o gerigoncismo embotou o raciocínio político de muito boa gente”.

“O gerigoncismo embotou o raciocínio político de muito boa gente, que já não sabe colocar-se com clareza de um dos lados das lutas, perdeu gume no combate político e deixa-se submeter ao pânico da contabilidade dos votos. É esta postura rendida ao populismo que engorda o PS, não são as lutas pelos direitos de quem trabalha”, afirma Pedro Soares, numa mensagem publicada no Facebook.

E acrescenta: “Ainda há quem, sendo de esquerda, hesite sobre o apoio à luta dos motoristas, venha com falinhas mansas acerca dos serviços mínimos decretados pelo governo, faça comoventes apelos à calma entre as partes para que o país não saia prejudicado, demonize os sindicatos e as lutas ‘inorgânicas’ e, historicamente ainda mais ridículo, procure algum paralelismo entre esta luta e o que se passou com o patronato dos transportes de mercadorias no Chile, nos anos 70 do século passado”.

A coordenadora do BE, Catarina Martins, veio esta terça-feira considerar que a requisição civil “a pedido das entidades empregadoras” foi um “erro” da parte do Governo e “uma limitação do direito à greve”.

“Neste momento, sendo esta uma greve que mobiliza tantos recursos públicos, o Governo não deve apelar apenas ao entendimento. Deve exigir que todas as partes se sentem em negociações sem pré condições. O país não pode ficar em suspenso devido a irresponsabilidade e provocações”, afirmou Catarina Martins.

Catarina Martins diz ainda que “o Governo já tinha conhecimento da situação e portanto devia ter agido para travar esta escalada”.

Ler mais
Relacionadas

Catarina Martins: “Decretar a requisição civil é um erro e uma limitação do direito à greve”

Coordenadora do Bloco de Esquerda apelou para que o Governo “pare com as provocações” e exija que “todas as partes se sentem em negociações sem pré condições”.
greve_motoristas_matérias_perigosas

Um erro ou uma necessidade? A requisição civil vista pelos partidos políticos

Enquanto à direita e no PS se aplaude a decisão dada a necessidade de garantir os serviços mínimos, os partidos mais à esquerda falam em ataque ao direito à greve.
Recomendadas

PremiumPSD remete alterações ao OE para depois de eleições internas

Propostas dos sociais-democratas só dão entrada no Parlamento a partir da próxima semana. Direção de Rui Rio chama a si proposta de redução do IVA da eletricidade por ter “relevo político nacional”.

PremiumCarlos Zorrinho: “OE foi muito tático na forma como foi discutido e votado”

Eurodeputado eleito pelo PS entende que as abstenções do BE, PCP, PEV e Livre mostram vontade de continuar a negociar com o Governo. E defende uma transição digital e energética “mais justa” e concorda com propostas de redução do IVA da eletricidade.

“Este governo tem um problema que é a imprevisibilidade”

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, à Antena1/Jornal de Negócios, diz que “este governo tem um problema que é a imprevisibilidade”, uma vez que não há acordo com os partidos à esquerda e por isso não se sabe que posição vão tomar.
Comentários