Grupo de investidores da Evergrande não espera receber pagamento de cupão obrigacionista esta quinta-feira

O gigante chinês tem enfrentado uma situação financeira delicada que preocupa analistas, investidores e governantes, dado o impacto que pode ter no sistema bancário do seu país e até mundial.

Alguns detentores de obrigações do grupo chinês Evergrande já não estão a contar receber a tranche a pagamento esta quinta-feira, revelou uma fonte próxima do processo à Reuters, à medida que se agravam as dúvidas colocadas relativamente à situação e saúde financeira do gigante do imobiliário.

Este grupo de investidores irá esperar pela informação que o grupo dará, tendo já desistido de receber a tranche devida esta quinta-feira. A Evergrande foi já a maior empresa de construção na China, onde o mercado imobiliário se desenvolveu consideravelmente na última década, mas enfrenta agora problemas de tesouraria que, temem os analistas, poderão causar ondas de choque por todo o sistema financeiro chinês e até mundial.

As dificuldades surgiram com o apertar da regulamentação relativa ao endividamento das empresas chinesas, dado que a Evergrande está alavancada em 305 mil milhões de dólares (259,74 mil milhões de euros) de dívida. A empresa deveria liquidar esta quinta-feira um pagamento de 83,5 milhões de dólares (71,11 milhões de euros) relativos a uma emissão obrigacionista de 2 mil milhões de dólares (1,7 mil milhões de euros).

Caso a empresa falhe o pagamento desta tranche, possui ainda 30 dias para regularizar a situação; caso contrário, o título é considerado como em incumprimento, algo para o qual os representantes governamentais chineses alertaram e pediram à Evergrande que evitasse.

Recomendadas

O principal desafio para o sector das pescas é tecnológico

O presidente da Associação dos Armadores de Pesca Industrial diz que a frota precisa de um salto tecnológico que a União Europeia deveria impor e apoiar quanto antes.

Desenvolvimento tecnológico vai marcar segurança privada

Na lista das 10 tendências identificadas pela associação norte-americana de segurança, e que constam do seu último relatório, todas têm uma base tecnológica e metade respeitam a esta integração entre vídeo e software, com destaque para as ferramentas de reconhecimento facial.

PremiumMário Palhares: “BNI e Finibanco Angola continuam empenhados em encontrar uma solução”

O processo de venda do Finibanco Angola a Mário Palhares do Banco BNI, acordado em 2015, acabou. Mas o CEO do banco angolano garante ao JE que o BNI e o Finibanco continuam empenhados em encontrar uma solução.
Comentários