PremiumGS1 Portugal fechou 2020 com quase nove mil sócios

Com uma subida de 4,6% na sua base de associados em ano de pandemia, a organização sem fins lucrativos está a registar o interesse de empresas nacionais dos sectores da saúde, defesa, financeiro, construção, bebidas espirituosas ou tabaco.

No culminar de 35 anos a operar no nosso país, a GS1 Portugal, organização sem fins lucrativos conhecida por ter introduzido em Portugal o código de barras, conseguiu fechar 2020, o primeiro ano da pandemia de Covid-19, com 8.788 associados, o que corresponde a um crescimento de 4,6% face a 2019.

“Até final março de 2020, já com duas semanas de confinamento geral obrigatório e Estado de Emergência, registámos um ano absolutamente excecional no que concerne aos nossos resultados: um crescimento de 14,4% ao ano anterior e uma receita global com um crescimento de 6,5% também face ao anterior, muito suportado pelas novas adesões que alavancaram a receita de joias e quotas em 5,3% e os serviços de identificadores-chaves (atribuição de códigos) com um crescimento de 13,4%”, assegura João de Castro Guimarães, diretor executivo da GS1, em declarações ao Jornal Económico.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Exportações de vinhos portugueses sobem 13% para mais de 200 milhões de euros até março

Já entre os países terceiros, destacam-se as exportações de vinhos portugueses para o Brasil (+38,5%) e Reino Unido (+9,41%), com 15,51 milhões de euros e 14,04 milhões de euros, respetivamente.

Da amnésia nas CPIs à dimensão do movimento #MeToo em Portugal. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes” de Rui Calafate

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Sporting CP. Plantel valorizou 21% esta época. Entrada direta na Champions rende 23 milhões

O talento da formação foi uma das grandes apostas do Sporting CP para a presente temporada, algo que suscitou desconfiança por parte dos analistas do futebol, por considerarem que o “fosso” para os rivais era demasiado grande para ser combatido com jogadores jovens. Mas Rúben Amorim, também ele um jovem treinador, não só discordou de tais afirmações, como colocou em prática aquilo que sempre foi a estratégia dos ‘leões’ desde a criação da Academia, em 2002.
Comentários