Guerra comercial com Trump é o principal risco para a economia global, segundo a Economist

A Economist Intelligence Unit elencou 10 riscos de natureza política, militar e financeira para a economia mundial. A divisão de análise da revista britânica prevê que o crescimento desacelere para 2,8% em 2019.

A Economist Intelligence Unit prevê que o crescimento global desacelere de 2,9% no ano passado para 2,8% em 2019 e para 2,6 % em 2020, face às preocupações com a desaceleração do crescimento em economias-chave, incluindo a China e os países da União Europeia. “As perspetivas para a economia global estão a agravar-se”, defende a divisão de investigação e análise do grupo Economist.

Para os especialistas da publicação britânica, o principal risco para a economia mundial, por ordem de intensidade, é o conflito comercial entre os Estados Unidos e a China transformar-se de facto numa guerra comercial à escala global. Os peritos temem, por exemplo, que as ameaças do presidente Donald Trump de impor tarifas adicionais sobre as importações de automóveis europeias amplifiquem o conflito, de acordo com um relatório divulgado esta terça-feira.

“Dado o crescente sentimento negativo sobre as preocupações de segurança nacional de países como a Alemanha, o Reino Unido, o Canadá e a Austrália em relação a fornecedores de rede chineses, como a Huawei, existe o risco de que diversos outros países sejam arrastados para uma guerra comercial na tecnologia, com as cadeias logísticas das empresas a serem interrompidas por a cobertura da rede global estar dividida”, explicam, no mesmo documento.

Na lista de obstáculos ao desenvolvimento da economia está ainda o receio de que:

  • O ónus da dívida norte-americana fazer com que a desaceleração passe a recessão
  • A volatilidade dos mercados se espalhe e gere uma crise
  • A China sofra uma crise económica desregrada e prolongada
  • A escassez de oferta gere um aumento globalmente prejudicial do preço do petróleo
  • As disputas territoriais no Mar do Sul ou no Leste da China criem um surto de hostilidades
  • Os ataques informáticos se amplifiquem
  • Haja um grande confronto militar na península coreana
  • O impasse político cause um ‘Brexit’ sem acordo
  • A instabilidade política e financeira em Itália faça surgir uma crise bancária

Em janeiro, o Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu em baixa a projeção de crescimento da economia mundial, apontando agora para 3,5% em 2019 e 3,6% em 2020, menos 0,2 e 0,1 pontos percentuais (p.p.) do que em outubro. No último World Economic Outlook (WEO), a instituição liderada por Christine Lagarde culpa sobretudo o enfraquecimento do mercado financeiro, o momentum mais suave no segundo semestre do de 2018 e a contração da Turquia e Argentina.

A penalizar o crescimento do produto interno bruto mundial esteve ainda a introdução de novos padrões de emissões de combustíveis na Alemanha e as preocupações sobre riscos soberanos e financeiros que pesaram sobre a procura interna em Itália. “As condições financeiras já estreitaram mais desde o outono. Uma série de fatores, além da escalada das tensões comerciais, pode gerar uma deterioração adicional do sentimento de risco, com implicações adversas no crescimento, especialmente devido aos altos níveis de dívida pública e privada”, alertou o FMI.

Ler mais
Relacionadas

FMI revê em baixa crescimento da economia mundial para 3,5% em 2019

A instituição liderada por Christine Lagarde prevê que a economia global cresça 3,5% este ano, menos 0,2 pontos percentuais do que a previsão de outubro. A estimativa de 2018 manteve-se nos 3,7%.

PremiumTravagem na economia global oferece bónus à taxa da dívida nacional

Pode parecer contrasenso, mas os receios sobre o abrandamento da economia estão a ajudar Portugal a financiar-se a custos mais baixos. Percepção de risco desceu, mas ambiente benigno pode não durar.

PremiumEconomia mundial em 2019: crónica de deslize anunciado

Fim do quantitative easing, crise do crédito dos mercados emergentes, subida das taxas de juro norte-americanas e abrandamento da economia chinesa são riscos sistémicos que economistas reunidos em Lisboa avisam que o mundo tem de ter em conta este ano.
Recomendadas

Wall Street espera por novo corte das taxas de juro e fecha em alta

Depois da reunião de amanhã, quarta-feira, espera-se que Jerome Powell, presidente da Fed, anuncie novo corte da federal funds rate em 25 pontos base, para um intervalo entre 1,75% a 2%.

Ministro da Economia anuncia incentivo à inovação a empresas de Setúbal

O Ministro da Economia revelou esta terça-feira que o Governo deverá anunciar ainda esta semana um incentivo à inovação, com uma majoração de 10% face aos apoios existentes, dirigido às Pequenas e Médias e Micro Empresas da Península de Setúbal.

Programa Capitalizar já fez chegar 8 mil milhões de crédito às empresas

As linhas do Programa Capitalizar fizeram chegar às empresas oito mil milhões de euros de crédito, disse hoje o ministro da Economia, sublinhando que o financiamento vai ser um dos maiores desafios do tecido empresarial nos próximos anos.
Comentários