Guia prático para ler etiquetas energéticas (e reduzir o consumo de energia)

Está a ver aquela etiqueta arco-íris colada na sua máquina de lavar? Se a souber ler corretamente, é uma forma (bastante) útil e simples de reduzir o consumo de energia, o orçamento mensal e de tornar a sua casa mais eficiente.

As etiquetas energéticas foram criadas em 1992 com o intuito de ajudar o consumidor no momento da compra, informando-o das características e do desempenho dos produtos. Se as souber ler correctamente, são uma forma (bastante) útil e simples de reduzir o consumo de energia, o orçamento mensal e de tornar a sua casa mais eficiente.

Que informações obtemos através da análise da etiqueta energética?

Vai depender do tipo de aparelho. Mas, através do SEPP – Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos –, é possível saber, pelo menos, qual a marca e o modelo do equipamento, a sua classe energética, o consumo de energia anual, se têm rótulo ecológico e qual o ruído em decibéis do equipamento em funcionamento.

A informação sobre a marca e o modelo encontra-se, na maioria das vezes, na parte superior esquerda da etiqueta. Já a classificação da eficiência energética encontra-se na zona central e, a partir deste ano, volta às sete categorias originais – da classe A (a mais eficiente e que gasta menos energia) à G (a menos eficiente e que consome mais energia). Neste ponto, há ainda um código de cor que auxilia a leitura do consumidor – três tipos de verde (A, B e C), dois tipos de amarelo (D e E), um laranja (F) e um vermelho (G).

Como se mede a eficiência de um aparelho?

Para começar, é importante entender que a eficiência de um electrodoméstico é regulamentada pelo Índice de Eficiência Energética. E que os fabricantes só classificam o aparelho depois calcularem o seu coeficiente energético. Para isso, divide-se a capacidade em watts do aparelho pelo valor que este consome numa hora.

Segundo o Portal do Electrodoméstico, uma máquina de lavar roupa de classe B pode consumir mais 21% de energia que uma de classe A. O mesmo portal alerta o consumidor para comparar apenas equipamentos da mesma categoria – máquina da loiça com máquina da loiça ou televisão com televisão.

O que é o rótulo ecológico?

Desde 2009 que as etiquetas energéticas podem conter o rótulo ecológico da União Europeia. Foi nesse ano que o Parlamento Europeu aprovou esta rotulagem, exclusiva para equipamentos que tenham passado por uma rigorosa análise de desempenho ambiental e energético. Segundo a Agência Portuguesa do Ambiente, caso encontre este símbolo na etiqueta do produto que pretende comprar, então é porque o seu impacto ambiental é reduzido e é uma escolha segura e verde.

As etiquetas são todas iguais?

Não. Apesar deste tipo de rótulos adoptar uma linguagem universal – e ser igual para todos os países da UE – a quantidade de informação disponível difere consoante o tipo de equipamento etiquetado. No caso dos frigoríficos, por exemplo, o consumidor consegue saber, além dos dados básicos, o volume útil dos compartimentos do equipamento – tanto do congelador como do frigorífico em si. Nas etiquetas energéticas dos aspiradores, é possível analisar a remissão de poeiras (que é, basicamente, o valor que indica o grau de pureza do ar que é devolvido à divisão através do aparelho) ou o desempenho de limpeza em carpetes.

Caso procure os dados energéticos das suas janelas, encontrará, por exemplo, o valor de transmissão térmica – a capacidade que a janela tem de reter a energia (seja frio ou calor) – ou o nível de atenuação acústica, que é, basicamente, a capacidade de atenuar os sons que vem do exterior da habitação.

Ler mais
Recomendadas

Noruega aprova plano de extração de cobre no Ártico, ”um dos projetos industriais mais nocivos ao ambiente”

Acredita-se que até 66 milhões de toneladas de minério de cobre estejam subterradas no solo em Kvalsund, em Finnmark, a região mais setentrional da Europa, no interior do Círculo Polar Ártico.

Catástrofes naturais custam à economia mundial 650 mil milhões. EUA responsável por dois terços do valor

Segundo a consultora Morgan Stanley, os Estados Unidos suportam grande parte dos custos, totalizando 415 mil milhões de dólares, ou seja, 0,66% do PIB norte-americano.

Colapso da barragem em Brumadinho contaminou pelo menos 305km de rio

Pelo menos 305 quilómetros do rio Paraopeba, no sudeste do Brasil, foram contaminados após a rutura da barragem em Brumadinho que causou 166 mortos e 155 desaparecidos, segundo um relatório divulgado por uma organização não-governamental.
Comentários