Guindos não quer ‘plano de resgate’ gaulês à Renault e PSA

O vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), o espanhol Luís de Guindos, considera que a programada injeção de capital nos dois grupos automóveis vai colocar questões de concorrência interna dispensáveis.

A ajuda direta do Estado francês aos seus dois gigantes do setor automóvel, Renault e PSA, está a gerar um terremoto político na Europa: esta quarta-feira, o vice-presidente do BCE, Luis de Guindos, atacou o governo gaulês e exigiu que a operação fosse interrompido por violar as regras europeias de concorrência e facilitar a fragmentação do mercado interno.

“Houve um relaxamento das políticas de auxílio estatal na Comissão Europeia e acho que devemos voltar à normalidade, porque nem todos os países podem dar a mesma ajuda do ponto de vista do volume“ de financiamento, alertou o ex-ministro da Economia da Espanha citado por vários jornais.

A França comprometeu-se a injetar oito mil milhões de euros no setor automóvel para aliviar as dificuldades dos seus dois ‘pesos-pesados’ sob a ‘desculpa’ de que a Renault e a PSA fabricam veículos elétricos e de baixa poluição nas fábricas instalas em território francês, o que poderia afetar as fábricas que os grupos possuem noutros países.

“É muito importante que os regulamentos dos auxílios estatais evitem disparidades”, disse Guindos – sendo de recordar que a PSA é um dos maiores fabricantes de Espanha. Em conferência de imprensa remota, Guindos garantiu que “é muito importante que os regulamentos sobre auxílios estatais evitem disparidades. A minha impressão é que a Comissão Europeia está a prestar atenção ao problema, porque as suas consequências podem ser muito negativas para o mercado interno, o que está a começar a ser evidente”, disse.

O vice-presidente do BCE também se referiu à situação que o setor financeiro está a passar no contexto económico de pandemia. Na sua opinião, o sistema está menos preparado que na crise iniciada em 2008, pedindo às entidades do setor que acelerem os planos de corte de custos e de fusões. Recorde-se que o BCE alertou no dias anterior que diferentes bancos registariam “perdas significativas” devido aos efeitos da pandemia. O banco estima que a rentabilidade do setor caia dos atuais 6% para cerca de 2,5% em 2020 e 2021, bem abaixo dos 10% exigidos.

Guindos disse que “se um banco tinha um problema de rentabilidade antes, agora estará agravado e isso torna as medidas ainda mais necessárias”. “São fundamentalmente a eliminação do excesso de capacidade, por meio da redução e consolidação de custos”.

Ler mais
Relacionadas

Renault deve repatriar produção de automóveis, exige Governo gaulês

O Executivo gaulês prometeu à construtora francesa um empréstimo de 5 mil milhões de euros para fazer face às quebras nas vendas devido à pandemia da Covid-19, mas o ministro das Finanças francês realçou que o acordo ainda não estava assinado porque faltava aos responsáveis da Renault o assumir de alguns compromissos exigidos pelo Governo.

França propõe repatriar produção da PSA e Renault

“A indústria automóvel francesa tem-se deslocalizado demasiado e deverá recuar”, disse o ministro da Economia e Finanças francês, em entrevista a uma rádio local.

Bruxelas dá ‘luz verde’ a garantia estatal francesa de cinco mil milhões de euros à Renault

A Comissão Europeia aprovou esta quarta-feira uma ajuda estatal de França à fabricante automóvel francesa Renault, numa garantia de empréstimo no total de cinco mil milhões de euros para assegurar liquidez dado o impacto económico da Covid-19.
Recomendadas

Tecnológicas bateram estimativas no 3º trimestre

Apesar da perda de utilizadores nos EUA por parte do Facebook e da queda de 20% na venda de iPhones por parte da Apple, terceiro trimestre foi positivo para os gigantes tecnológicos.

Alphabet com lucros de 11,25 mil milhões de dólares num terceiro trimestre em que receitas voltaram a crescer

Vindos do primeiro trimestre com uma diminuição de receitas na história da companhia, a empresa-mãe da Google volta agora em força, em parte empurrada pelas verbas associadas à publicidade.

Facebook aumenta lucro no terceiro trimestre impulsionado pela publicidade

A rede social também revela que conseguiu diminuir para metade as despesas relacionadas com “geral e administração”, em grande parte devido ao encerramento de escritórios um pouco por todo o mundo, acompanhando a tendência do teletrabalho.
Comentários