Guterres: “Procurar um protagonismo que limite a minha capacidade de exercer o meu mandato, por vaidade pessoal, seria um ato de profunda estupidez”

O secretário-geral das Nações Unidas defende a reforma política da organização, mas destaca a dificuldade das mudanças devido à resistência dos membros do conselho permanente: Estados Unidos da América, Rússia, França, Reino Unido e China.

O secretário-geral da Nações Unidas rejeita as críticas de que podia ser mais interventivo em relação a vários conflitos que assolam o mundo. Neste sentido, António Guterres defende a importância do seu trabalho diplomático junto dos países da ONU.

“A situação politica hoje é extremamente complexa, e procurar um protagonismo que limite a minha capacidade de conseguir exercer o meu mandato, por razões de vaidade pessoal, seria um ato de profunda estupidez”, disse António Guterres em entrevista à RTP. 

O antigo primeiro-ministro português defende a necessidade de reforma política na ONU, mas destaca que esta é difícil devido ao poder dos membros do conselho permanente da ONU, que tem o poder de vetar qualquer decisão da assembleia-geral.

“Não é fácil é convencer os estados-membros, sobretudo aqueles que tem hoje uma posição mais privilegiada, a aceitarem essas transformações”, sublinhou Guterres na entrevista à RTP, que o acompanhou durante a sua visita ao Quénia e a Moçambique.

O conselho permanente é integrado pelos Estados Unidos da América, Rússia, França, Reino Unido e China.

Guterres: “É preciso reduzir os impostos às pessoas, nomeadamente nos salários”

Ler mais
Recomendadas

PS promete combate à extrema-direita e ataca ordens que são “sindicatos disfarçados”

Estas posições foram transmitidas por Ana Catarina Mendes no discurso que encerrou a “jornada de trabalho” do Grupo Parlamentar do PS, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, numa intervenção em que assumiu o compromisso de “tirar do papel” o estatuto do cuidador informal e em que também se interrogou sobre qual vai ser o posicionamento das forças à esquerda do seu partido na atual conjuntura do país.
tik tok

Imprensa estatal chinesa pede a Pequim que rejeite acordo para compra da Tik Tok nos EUA

O Global Times, controlado pelo estado chinês, inicialmente apelidou o negócio de “razoável” depois de surgirem notícias de que a Oracle e a Walmart tinham concordado em adquirir uma participação combinada de 20% da Tik Tok.

Catarina Martins sublinha urgência na contratação de profissionais de saúde

A líder do Bloco de Esquerda defende o fim da precariedade e a defesa dos direitos dos profissionais de saúde e aponta que “as contratações previstas no Orçamento de 2020 não foram feitas”.
Comentários