Há mais pessoas a trabalhar no setor da construção em Portugal

O índice de produção na construção aumentou em termos homólogos 2,3%, acompanhando o crescimento dos índices de emprego e de remunerações, que se situaram em 2,4% e 4,4%, respetivamente.

Construtora portuguesa Lucios

O índice de produção na construção cresceu 2,3% em fevereiro, em termos homólogos, acompanhando o crescimento da taxa de emprego no setor, que se situa em 2,4%, em termos homólogos.

Os dados são apresentados pelo INE – Instituto Nacional de Estatística, esta quarta-feira, que informa também que a construção de edifícios abrandou 0,4 pontos percentuais, para uma variação de 2,2%, enquanto a engenharia civil acelerou, passando de uma variação homóloga de 1,9% em janeiro para 2,4% em fevereiro.

Relativamente ao emprego, o índice no setor da construção cresceu 2,4% em termos homólogos, sendo que em janeiro o valor situava-se nos 2,0%. Face ao mês anterior, o índice de emprego aumentou apenas 0,3%.

No âmbito das remunerações, em fevereiro, o índice das remunerações efetivamente pagas registou uma taxa de variação homóloga de 4,4%, uma desecelaração face ao arranque do ano, (4,6% em janeiro). Comparativamente com o mês anterior, o índice das remunerações diminuiu 0,9%.

 

Recomendadas

“Não queremos um acordo parcial”. Trump perspetiva acordo comercial com a China para 2020

Trump disse que o seu relacionamento com o Presidente chinês, Xi Jinping, é muito bom, mas reconheceu que não tem sido fácil conseguir uma solução para a “guerra comercial” que separa os dois países há um ano e meio.

Correios britânicos estão a investigar “com urgência” devoluções de votos postais portugueses

Um porta-voz do Royal Mail confirmou a existência de “alguns casos” em que os envelopes que contêm o voto postal para os cidadãos portugueses que vivem no Reino Unido não estão a ser reconhecidos pelos sistemas de processamento da empresa.

António Costa homologou parecer da PGR sobre contratos do Estado com empresas de familiares de governantes

Parecer tinha sido pedido a 30 de julho na sequência da polémica com empresa do filho do ex-secretário de Estado da Proteção Civil. O caso foi suscitado depois da notícia do Observador sobre os três contratos do filho de José Artur Neves celebrados com o Estado quando o pai estava em funções políticas.
Comentários