Hacker Rui Pinto encriptou dez discos que PJ não consegue abrir

São dezenas de milhares de gigabytes de informação a que as autoridades não conseguem aceder. A PJ diz que há “fortes indícios” da existência de novas provas.

Do material confiscado a Rui Pinto na Hungria em janeiro, as autoridades continuam sem conseguir aceder a dez discos rígidos, avança o jornal Público esta sexta-feira, 18 de outubro. Este material faz parte dos 12 discos externos e dois computadores que foram confiscados ao alegado pirata informático.

Rui Pinto encriptou estes discos impedindo assim o acesso a estes discos, que podem ser fundamentais para a investigação. Segundo o Público, são dezenas de milhares de gigabytes de informação que continuam por revelar e que podem conter mais informação sobre os alegados roubos de correspondência eletrónica e acessos ilegítimos aos sistemas informáticos de centenas de instituições públicas e privadas.

O alegado hacker  está acusado pelo Ministério Público de 175 crimes: 75 de acesso ilegítimo, 70 de violação de correspondência, um crime de tentativa de extorsão e um de sabotagem informática.

Recomendadas

Caso BES: Ministério Público espera ainda usar provas da Suíça no julgamento

Segundo o Público, os procuradores esperam que as provas pedidas às autoridades suíças possam ser ainda adicionados até ao julgamento, uma vez que entre a acusação, que deverá estar pronta até 16 de julho, e o julgamento deverá decorrer um ano.

António Mexia e Manso Neto pedem afastamento do juiz Carlos Alexandre, dizem que decisões são “parciais”

O pedido suspende interrogatórios no caso Manuel Pinho / CMEC que estavam previstos para dias 2 e 3 de junho. A defesa liderada pelo advogado João Medeiros alega que até que o Tribunal da Relação de Lisboa decida sobre o requerimento de recusa apresentado, o juiz Carlos Alexandre só poderá praticar atos processuais considerados como urgentes pela lei.

“Alcochete nunca mais”: Sporting reage ao fim do processo de invasão da academia

O Sporting afirma que os acontecimentos do dia 15 de maio de 2018, marcaram “indelevelmente o Sporting CP e os Sportinguistas, trazendo consequências muito nefastas para todos”. Os leões sublinham ainda que o desporto deve ser um espaço “saudável e não de violência gratuita e criminalidade”.
Comentários