‘Hacker’ Rui Pinto recusa colaborar com justiça portuguesa

As autoridades portuguesas não estão a conseguir convencer o pirata informático a colaborar no processo em que é suspeito de tentativa de extorsão de meio milhão de euros contra o fundo Doyen Sports e na exploração de material informático apreendido.

O hacker Rui Pinto recusa colaborar com a Polícia Judiciária e o Ministério Público, de acordo com as informações obtidas pelo “Jornal de Notícias” (JN) e divulgadas na edição desta quarta-feira.

Segundo o diário portuense, Rui Pinto adotou o regime de silêncio no território nacional inclusive no processo em que é suspeito de tentativa de extorsão de meio milhão de euros contra o fundo Doyen Sports e no apoio à exploração de material informático apreendido.

“Não negociamos imunidade. A única coisa que podemos garantir é que as informações [dadas pelo pirata informático] quer pela França quer por outros países a que a França as poderá ceder não sejam utilizada contra Rui Pinto”, disse ao JN o procurador Jean-Yves Lourgouilloux.

Ao que o jornal apurou, as autoridades portuguesas não estão a conseguir demover Rui Pinto, mesmo depois de já terem solicitado o seu auxílio.

Relacionadas

Rússia pede informações a Portugal sobre ‘pirata’ informático Rui Pinto

“Confirma-se a receção, muito recentemente, de uma carta rogatória [instrumento jurídico de cooperação entre dois países] da Federação Russa”, disse fonte da PGR à agência Lusa.

Rui Pinto chega esta quinta-feira: o que pode esperar o ‘hacker’ português?

Denunciante do Football Leaks será transferido da cadeia húngara para Portugal, após decisão de extradição as autoridades judiciais da Hungria que indeferiram o recurso da defesa de Rui Pinto. Data acordada entre os dois países foi avançada ao JE por fonte próxima ao processo.

Rui Pinto colabora com a justiça francesa no processo Football Leaks

Investigação envolve a UEFA, Paris Saint-Germain, Manchester City e investidores estrangeiros do Qatar e dos Emirados Árabes Unidos.
Recomendadas
André-Matias-de-Almeida-Antram.jpg

Justiça investigou gastos de 30 mil euros de porta-voz da Antram em 2013-2014

A queixa-crime apresentada ao Ministério Público baseava-se na discrepância de 30 mil euros entre as faturas apresentadas pelo tesoureiro e o dinheiro que efetivamente saiu da conta bancária da associação, durante o mandato de André Matias de Almeida.

PremiumJustiça investiga três dos candidatos do PSD a deputados na Assembleia da República

Em causa estão crimes de corrupção, abuso de poder e falsidade informática. Visados são obrigados a apresentar demissão, caso sejam condenados. Direção do PSD recusa “julgamentos em praça pública”.

Pardal Henriques reage à acusação da PGR: “Nunca fiz nenhuma burla e aguardo para ser notificado”

O porta-voz do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) afirma que em abril o Departamento de Investigação e Ação Penal “respondeu-nos que não existia queixa nenhuma”.
Comentários