‘Hacker’ Rui Pinto recusa colaborar com justiça portuguesa

As autoridades portuguesas não estão a conseguir convencer o pirata informático a colaborar no processo em que é suspeito de tentativa de extorsão de meio milhão de euros contra o fundo Doyen Sports e na exploração de material informático apreendido.

O hacker Rui Pinto recusa colaborar com a Polícia Judiciária e o Ministério Público, de acordo com as informações obtidas pelo “Jornal de Notícias” (JN) e divulgadas na edição desta quarta-feira.

Segundo o diário portuense, Rui Pinto adotou o regime de silêncio no território nacional inclusive no processo em que é suspeito de tentativa de extorsão de meio milhão de euros contra o fundo Doyen Sports e no apoio à exploração de material informático apreendido.

“Não negociamos imunidade. A única coisa que podemos garantir é que as informações [dadas pelo pirata informático] quer pela França quer por outros países a que a França as poderá ceder não sejam utilizada contra Rui Pinto”, disse ao JN o procurador Jean-Yves Lourgouilloux.

Ao que o jornal apurou, as autoridades portuguesas não estão a conseguir demover Rui Pinto, mesmo depois de já terem solicitado o seu auxílio.

Relacionadas

Rússia pede informações a Portugal sobre ‘pirata’ informático Rui Pinto

“Confirma-se a receção, muito recentemente, de uma carta rogatória [instrumento jurídico de cooperação entre dois países] da Federação Russa”, disse fonte da PGR à agência Lusa.

Rui Pinto chega esta quinta-feira: o que pode esperar o ‘hacker’ português?

Denunciante do Football Leaks será transferido da cadeia húngara para Portugal, após decisão de extradição as autoridades judiciais da Hungria que indeferiram o recurso da defesa de Rui Pinto. Data acordada entre os dois países foi avançada ao JE por fonte próxima ao processo.

Rui Pinto colabora com a justiça francesa no processo Football Leaks

Investigação envolve a UEFA, Paris Saint-Germain, Manchester City e investidores estrangeiros do Qatar e dos Emirados Árabes Unidos.
Recomendadas

Julian Assange acusado de 17 crimes nos Estados Unidos

Julian Assange encontra-se atualmente preso no Reino Unido depois de ter sido retirado da embaixada do Equador onde estava exilado.

Ana Gomes: “Fraude-carrossel desvia 50 mil milhões por ano do Orçamento Europeu”

Em declarações ao Jornal Económico, no âmbito da Conferência Internacional sobre Prevenção e Deteção do Branqueamento, a eurodeputada explicou as medidas que estão a ser tomadas pelas autoridades europeias no combate à fraude fiscal e ao branqueamento de capitais.

Ana Gomes: “As injustiças eram flagrantes e não era possível continuar a fechar os olhos”

Prestes a deixar Estrasburgo, a socialista falou sobre a atuação do Parlamento Europeu na Conferência Internacional sobre Prevenção e Deteção do Branqueamento, que está a decorrer nesta quinta-feira em Lisboa.
Comentários