Helena Paiva condecorada com medalha de mérito por contribuir para consolidar relações entre Cabo Verde e Portugal

A embaixadora foi destacada por Jorge Carlos Fonseca pelo “dinamismo e competência” que demonstrou nas funções que ocupou no país e que “muito contribuiu para uma maior aproximação entre os países”.

Fernando de Pina / Lusa

O Presidente da República de Cabo Verde condecorou esta quinta-feira com a medalha de mérito a embaixadora de Portugal na Praia, Helena Paiva, pelo seu contributo para a consolidação das relações entre os dois países.

A imposição da condecoração a Helena Paiva, que esta semana termina a sua missão no arquipélago para assumir o cargo na Grécia, decorreu ao final desta manhã após uma audiência de despedida da diplomata portuguesa ao chefe de Estado cabo-verdiano.

Helena Paiva, que chegou a Cabo Verde em 2016, foi distinguida com a Primeira Classe da Medalha de Mérito por ter contribuído “para uma maior aproximação” entre Cabo Verde e Portugal, trabalhando no aprofundamento e diversificação das relações entre dos dois países, segundo o decreto presidencial publicado no Boletim Oficial.

A embaixadora é ainda destacada por Jorge Carlos Fonseca pelo “dinamismo e competência” que demonstrou nas funções que ocupou no país e que “muito contribuiu para uma maior aproximação entre os países”.

Por seu turno, Helena Paiva manifestou a sua satisfação pelas palavras e ações que lhe foram atribuídas, pelo que afirmou que foi com “súbita honra” que recebe a distinção que lhe foi conferida.

“Penso que comungamos da convenção de que Portugal e Cabo Verde tem sabido trilhar um sólido e seguro rumo, ancorado no diálogo intenso e profícuo que mantemos e que conduz o nosso relacionamento bilateral a um patamar de excelência”, disse.

Segundo a embaixadora de Portugal, a parceria foi fortemente impulsionada pela vontade que os dois países colocaram no aprofundamento da relação única e estratégica e pela certeza de que juntos encontrarão novos caminhos que reforçam os seus fraternos relacionamentos.

Helena Paiva, nos quatro anos de missão em Cabo Verde, procurou com “empenho e determinação” contribuir para o estreitamento das relações, e sempre com a aspiração de facilitar o aprofundamento do já intenso diálogo político diplomático e da densa cooperação bilateral existente.

A sua missão, segundo disse, contribuiu ainda para abrir novas avenidas de pareceria entre os dois países, criar novas pontes na defesa e promoção dos desígnios e interesse que mutuamente prosseguem.

“Não se sai deste país sem saudades. Sou também já um pouco de onde agora parto. Por isso, pela cumplicidade, franca interação e amizade que de vós levo intensifico este gesto de vossa excelência as afeiçoadas memórias que guardarei de e por Cabo Verde”, acrescentou para depois afirmar que sai deste país com o dever de missão cumprido.

Para isso, referiu que houve esforço da sua parte e da equipa que a acompanha e apontou como um desses efeitos a abertura da escola portuguesa em Cabo Verde e a concretização de cerca de dezasseis na área de cooperação interna.

Para substituir Helena Paiva, Portugal indicou o cônsul-geral de Portugal em Paris, António Albuquerque Moniz, como novo embaixador de Portugal em Cabo Verde.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: Cabo Verde interdita voos com origem em Itália por três semanas

Em nota divulgada pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva refere que a resolução, aprovada em reunião do Conselho de Ministros, será publicada na quinta-feira e que o Governo italiano foi “devidamente informado desta medida preventiva, temporária, que se justifica pelo facto de se ter registado um aumento exponencial de casos de pessoas infetadas pela Covid-19 em Itália”.

União Europeia desafia Cabo Verde a incluir dimensão de género nos compromissos futuros

A embaixadora da União Europeia em Cabo Verde lembrou que o programa OGP tem um financiamento de oito milhões de euros e é “uma iniciativa importante na cooperação bilateral” entre o bloco europeu e o país africano.

Portugal e Cabo Verde querem combate ao racismo “todos os dias” com serenidade e inteligência

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu um combate “pela positiva” a manifestações racistas e discriminatórias.
Comentários