Honda suspende produção no Reino Unido por falta de fornecimentos

De acordo com o Sunday Times, citado pela agência Efe, a Jaguar Land Rover, a Nissan e a Vauxhall também se estão a ver obrigadas a cortar na sua atividade devido à falta de pessoal por causa da covid-19, assim como pelo congestionamento nos portos britânicos associado à pandemia e ao ‘Brexit’ (saída do Reino Unido da União Europeia).

O fabricante japonês de automóveis Honda vai suspender a produção no Reino Unido entre segunda e quinta-feira devido aos problemas para receber os fornecimentos necessários para alimentar a cadeia de montagem, na que é a terceira paralisação deste tipo.

De acordo com o Sunday Times, citado pela agência Efe, a Jaguar Land Rover, a Nissan e a Vauxhall também se estão a ver obrigadas a cortar na sua atividade devido à falta de pessoal por causa da covid-19, assim como pelo congestionamento nos portos britânicos associado à pandemia e ao ‘Brexit’ (saída do Reino Unido da União Europeia).

A primeira paragem na fábrica da Honda em Swindon (sudeste de Inglaterra) ocorreu no início de dezembro.

A marca japonesa trabalha com um sistema de produção ‘just in time’ (‘mesmo a tempo’, em tradução livre), na qual os componentes são recebidos na altura em que são utilizados.

Este método permite poupar nos custos de armazenagem e aumentar a eficiência, mas é especialmente sensível aos atrasos na distribuição.

A demora acumulada nas entregas durante a primeira metade do ano de 2020 devido à pandemia, assim como o aumento dos envios de inventário para o Reino Unido antes do ‘Brexit’, dificultaram o funcionamento dos portos britânicos nos últimos meses.

As novas barreiras ao comércio entre os dois lados do Canal da Mancha, efetivadas em 01 de janeiro, quando Londres rompeu os seus laços com a União Europeia, contribuem para criar fricção nas cadeias de transporte, apesar de o Reino Unido ter decidido não aplicar de forma restrita todos os controlos aduaneiros de entrada no país durante seis meses.

“Várias fábricas automóveis viveram problemas similares. A Volkswagen, a Nissan e a General Motors tiveram de reduzir a produção”, comentou num comunicado Christian Stadler, professor de Liderança Estratégica na Escola de Negócios de Warwick, citado pela Efe.

Para o especialista, essas fricções “demonstram a vulnerabilidade das cadeias de fornecimentos perante situações externas como a covid-19”.

Ler mais
Recomendadas
catarina_martins_oe_2020

Covid-19: Catarina Martins faz um apelo a Costa para que estenda já as moratórias

“Deixo aqui hoje este apelo a António Costa: não espere que seja tarde demais, não espere pelo início dos despejos e das falências. As moratórias têm de ser estendidas já”, num comício maioritariamente virtual que assinalou o encerramento da conferência autárquica online e os 22 anos do BE, que comemora no domingo a sua fundação.

TAP. Ratificação dos acordos com pilotos e tripulantes era “passo crucial”, diz o Governo

“Porque estes acordos representam um compromisso muito firme de todos com o futuro da companhia, dão ainda mais credibilidade ao plano de reestruturação que o Estado português continuará a negociar com a Comissão Europeia ao longo das próximas semanas”, sublinhou o Ministério das Infraestruras e da Habitação.

Serviços postais caem 12,4% mas tráfego de encomendas dispara 20% em 2020

Tráfego total dos serviços postais caiu 12,4% em 2020, uma quebra que “está associada aos efeitos da pandemia da Covid-19” e que foi “mais expressiva” do que o recuo verificado em 2019 (-6,7%). A pandemia terá tido “um impacto direto, negativo, de 9,8% no tráfego postal total”.
Comentários