Hospitais vão ter “autonomia total” para contratar, afirma ministra da Saúde

 O plano para concentrar serviços de urgência começa no próximo verão, revelou Marta Temido, em entrevista ao jornal “Público”.

A ministra da Saúde disse, em entrevista ao jornal “Público”, que vai começar no próximo verão um novo modelo para concentrar serviços de urgência. Para o Governo, a prioridade são os incentivos à produtividade e não a exclusividade dos médicos.

Segundo Marta Temido, 2020 será “um ano melhor” para o Serviço Nacional de Saúde (SNS). “Conseguimos, graças a uma boa gestão da dívida das contas públicas, libertar meios para reforçar o investimento no SNS”, lembrou, em declarações ao diário.

O Governo aprovou ontem o Plano de Melhoria da Resposta do SNS, que prevê um reforço do orçamento da saúde em 800 milhões de euros, com o Governo a prometer contratar 8.400 trabalhadores nos próximos anos, segundo a resolução aprovada em Conselho de Ministros.

O Executivo de António Costa diz que pretende desta forma “dar resposta aos desafios que atualmente se colocam ao SNS, procurando resolver o problema da suborçamentação do setor e, assim, melhorar o acesso e o serviço prestado aos cidadãos”.

Marta Temido garante que “todas as contratações de substituição poderão ser feitas diretamente sem intervenção externa” e que pretende que os hospitais tenham “autonomia total de contratação, dentro de um quadro de responsabilidades pré-negociado”.

Até outubro deste ano o Estado pagou 97,7 milhões de euros em médicos tarefeiros e em 2018 haviam sido no total 118 milhões de euros.

Ler mais
Recomendadas

PCP identifica seis cadeias de dependência externa que implicam “colonização económica e política”

Turismo, grande distribuição e a aposta no lítio e no hidrogénio não foram esquecidos na análise (muito crítica) que os comunistas fazem à economia portuguesa nas Teses que servirão de base ao XXI Congresso, que decorrerá entre 27 e 29 de novembro.

Hamas e Fatah chegam a acordo para a realização de eleições daqui a seis meses

Depois de 15 anos sem atos eleitorais, na sequência dos confrontos que resultaram da tentativa de coligação em 2006, as duas principais fações palestinianas procuram dar sinais de união numa altura em que o restante mundo árabe parece aberto à normalização dos laços com Israel.

Presidenciais: Paulo Pedroso na “estrutura organizativa” da candidatura de Ana Gomes

O ex-ministro do Trabalho Paulo Pedroso vai integrar a “estrutura organizativa” da candidatura de Ana Gomes a Presidente da República, confirmou hoje a própria numa declaração à agência Lusa.
Comentários