Hungria começa hoje vacinação com vacina russa Sputnik V

A Hungria torna-se esta sexta-feira o primeiro país da União Europeia a aplicar na sua população a vacina russa contra o novo coronavírus, a Sputnik V, anunciou a diretora geral da Saúde do país.

“Hoje, estamos a começar a usar a vacina Sputnik V, isso está a acontecer nos postos de vacinação designados” pelas autoridades, declarou Cecília Müller durante uma conferência de imprensa.

A Hungria foi o primeiro membro da UE a aprovar a vacina Sputnik V, no mês passado, e pediu que dois milhões de doses fossem entregues em três meses, o suficiente para vacinar um milhão de pessoas.

O país está frequentemente em conflito com a Comissão Europeia (CE) e tem criticado repetidamente o processo de autorização e compra de vacinas por Bruxelas, muito lento segundo o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán.

No mês passado, o Governo húngaro também foi o primeiro dos 27 a aprovar a vacina chinesa do laboratório Sinopharm, afirmando que havia pedido cinco milhões de doses.

“Se a Hungria começar a usar a vacina chinesa da Sinopharm num futuro próximo, mais de 2,5 milhões de pessoas poderão ser vacinadas até a Páscoa”, disse hoje Orbán à rádio.

“Cada dia que esperássemos por Bruxelas, perderíamos 100 vidas húngaras”, disse o primeiro-ministro húngaro.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.368.493 mortos no mundo, resultantes de mais de 107,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Ler mais
Recomendadas

Mais de um milhão de portugueses estão vacinados contra a Covid-19

Dos cidadãos inoculados, 204.147 milhões de pessoas tomaram uma dose da vacina contra a Covid-19, segundo a Direção-Geral da Saúde.

Odemira: Conselho de ministros aprova levantamento da cerca sanitária

O Conselho de Ministros aprovou o levantamento da cerca sanitária em Odemira a partir das 00:00 do dia 12 de maio.

Itália regista 6.946 novos casos num dia e aumenta pressão para aliviar restrições

A Itália registou 6.946 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, divulgaram hoje as autoridades italianas, numa altura em que aumenta a pressão política para o governo de Mario Draghi aliviar as restrições ainda em vigor no país.
Comentários