PremiumIberdrola estuda compra de barragens postas à venda pela EDP

Elétrica espanhola diz estar a analisar centrais hídricas da EDP. Depois de ser a grande vencedora do leilão de energia solar, a empresa diz estar pronta para o próximo leilão, que terá lugar em 2020.

A Iberdrola está a estudar a compra das barragens que a EDPcolocou à venda em Portugal. A empresa espanhola está a estudar estes ativos, não havendo ainda nenhuma proposta de compra formalizada, segundo a elétrica.

“A EDP é que fez a eleição das empresas que poderiam estar interessadas, fez um lote e escolheu várias finalistas. É claro que a Iberdrola está a analisar, mas não há ofertas”, disse a diretora comercial da Iberdrola Portugal, Carla Costa.

“É um estudo. É verdade que a EDP nos escolheu entre os vários finalistas. É lógico que, como em todas as empresas, ninguém vai comprar um bem sem primeiro fazer um estudo”, destacou em entrevista ao Jornal Económico.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários