IGCP vai ao mercado levantar entre 1,25 mil a 1,5 mil milhões a curto prazo na quarta-feira

As emissões são a seis meses e a um ano. Na última emissão comparável, a 16 de janeiro, Portugal emitiu 1.750 milhões de euros em dívida de curto prazo, 500 milhões de euros em bilhetes do tesouro a 6 meses e 1.250 milhões de euros a 1 ano.

Cristina Bernardo

O IGCP vai realizar, no próximo dia 20 de março pelas 10h30 dois leilões das linhas de BT (Bilhetes do Tesouro) com maturidades em 20 de setembro de 2019 e 20 de março de 2020, com um montante indicativo global entre 1.250 milhões e 1.500 milhões de euros.

As emissões são a seis meses e a um ano. Na última emissão comparável,  a 16 de janeiro, Portugal emitiu 1.750 milhões de euros em dívida de curto prazo, 500 milhões de euros em bilhetes do tesouro a 6 meses e 1.250 milhões de euros a 1 ano.

Na altura, a 16 de janeiro de 2019, e apesar da procura ter sido inferior às colocações anteriores, deu-se uma diminuição das yields, a 6 meses para quase -0,4%, taxa que o BCE paga pelos depósitos, e a 12 meses de -0,327% para -0,36%. “O que é demonstrativo da confiança no mercado de dívida portuguesa, na economia nacional e num abrandamento da inversão da política monetária do BCE para contracionista”, segundo a análise naquele dia de Filipe Silva, do Banco Carregosa.

 

 

Relacionadas

Portugal emitiu 862 milhões em dívida a dez anos com a taxa mais baixa de sempre

Agência liderada por Cristina Casalinho emitiu ainda 388 milhões de euros com maturidade a sete anos, pagando uma taxa de alocação de 0,763%.

Tesouro emite hoje até 1.250 milhões de euros em dívida a sete e dez anos

No mercado secundário as yields portuguesas a dez anos negoceiam em mínimos históricos. Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública realiza hoje leilão duplo de Obrigações do Tesouro (OT) a sete e dez anos, depois de ter pago a taxa mais baixa de sempre no financiamento nesta última maturidade no leilão de fevereiro.
Recomendadas

João Sousa Gião reeleito Presidente do Comité Permanente de Convergência de Supervisão da ESMA

“A reeleição de João Sousa Gião consolida a presença internacional da CMVM, em linha com as metas traçadas pelo seu Conselho de Administração, que se focam na otimização do desempenho da organização também através da participação ativa em debates e decisões nos fora internacionais com impacto no enquadramento interno e externo e na promoção de uma maior visibilidade ao mercado nacional”, diz a CMVM.

PSI 20 fecha no ‘verde’ mas longe das congéneres europeias

Apesar de ter encerrado a segunda sessão da semana em território positivo, o PSI 20 ficou aquém do desempenho registado nas congéneres europeias.

Tesla e novos serviços da Apple dão energia a Wall Street

Depois de uma sexta-feira negra e de encerrar sem tendência esta segunda-feira, Wall Street voltou aos ganhos, impulsionada pela tecnologia. A Apple e a Tesla estão a registar um desempenho positivo.
Comentários