Impeachment. Casa Branca recusa-se a cooperar com investigações contra Donald Trump

A Casa Branca informou esta terça-feira o Congresso dos Estados Unidos que se recusa a participar no inquérito em curso para um eventual processo de destituição do Presidente Donald Trump.

REUTERS/Joshua Roberts

A Casa Branca declarou guerra à Casa de Representantes ao anunciar que não vai cooperar com as investigações do processo de “impeachment” de Donald Trump. A administração considera os esforços dos democratas como “ilegítimos” tendo como objetivo “anular os resultados das eleições de 2016”.

Numa carta enviada aos líderes democratas da Casa dos Representantes, a que o New York Times teve acesso, a Casa Branca argumentou que o inquérito violou o precedente e negou os direitos do processo do presidente Trump de maneira tão flagrante que nem ele nem o poder executivo forneceriam de bom grado testemunhos ou documentos.

“As vossas ações sem precedentes deixaram o presidente sem escolha”, lê-se na carta assinada por Pat A. Cipollone, advogado da Casa Branca. “Para cumprir os seus deveres com o povo americano, a Constituição, o poder executivo e todos os futuros ocupantes do cargo de presidência, o Presidente Trump e o seu governo não podem participar na sua investigação partidária e inconstitucional nessas circunstâncias.”

Porém, ao recusar-se a cooperar com aquilo a que Trump chama de “tribunal kangoroo”, o presidente arriscou-se a garantir o mesmo resultado que preferiria evitar. Os democratas da Câmara deixaram claro que o não cumprimento das exigências pode muito bem formar a base do processo de impeachment.

“A Casa Branca deve ser avisada de que os esforços contínuos para ocultar a verdade do abuso de poder do presidente do povo norte-americano serão considerados mais uma prova de obstrução”, afirmou a presidente dos Representantes, Nancy Pelosi, em comunicado. “Sr. Presidente, você não está acima da lei. Você será responsabilizado”, rematou.

A decisão pode antever uma guerra constitucional. A carta foi divulgada horas depois do cancelamento da entrevista de Gordon Sondland, o embaixador norte-americano para a União Europeia, uma testemunha-chave no processo de destituição de Trump após a revelação da transcrição da conversa entre o presidente norte-americano e o homólogo ucraniano. As ordens partiram do Departamento de Estado, de acordo com o advogado de Gordon D. Sondland, mas foi corroborada por Donald Trump no Twitter.

“Adoraria enviar o embaixador Sondland, um bom homem e um grande americano, para testemunhar, mas infelizmente ele estaria a testemunhar perante um tribunal de cangurus [expressão coloquial usada para designar julgamentos sem provas], onde os direitos dos republicanos foram apagados e os factos verdadeiros não são mostrados ao público”, escreveu.

Democratas acusaram o governo norte-americano de obstrução. O diretor do Comité de Informações da Câmara dos Representantes, o democrata Adam Schiff, disse que o impedimento é “mais uma forte prova da obstrução das funções constitucionais do Congresso” por parte do governo de Donald Trump.

Ler mais
Recomendadas

Espiões russos usaram os Alpes franceses como base para ataques em vários países

Os agentes suspeitos do homicídio de Sergei Skripal no Reino Unido em 2018 passaram por esta região. No total, passaram pelos Alpes 15 operacionais da unidade 29155 da agência de espionagem russa GRU.

Cidade versus campo: Tribunal francês dá razão a 60 patos considerados “barulhentos”

O vizinho argumentou que não conseguia dormir com as janelas abertas, mas o tribunal considerou que estavam asseguradas as devidas distâncias entre as duas propriedades.

FMI aprova segunda fase do programa de Angola e ‘dá’ 222 milhões de euros

O Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou hoje o pagamento de 247 milhões de dólares a Angola, no seguimento da aprovação da segunda avaliação do programa de ajustamento financeiro, num total de 3,7 mil milhões de dólares.
Comentários