Importações crescem 6,3% no terceiro trimestre. Exportações sobem apenas 1,2%

Compra de bens ao exterior continuou a subir mais do que a venda de bens, segundo dados do INE. Défice da balança comercial de bens aumentou 518 milhões de euros face ao período homólogo de 2018, no trimestre terminado em setembro.

Aly Song/Reuters

As importações voltaram a subir mais do que as exportações no terceiro trimestre, ao crescerem 6,3% face ao mesmo período de 2018. Já as exportações subiram 1,2%, segundo dados divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os dados do INE, referentes aos meses entre julho e setembro, refere-se apenas aos bens, excluíndo os serviços. Mas permite verificar que do ponto de vista da balança comercial de bens, o défice registou um aumento de 518 milhões de euros face ao mês homólogo de 2018, fixando-se em 1.802 milhões de euros em setembro de 2019.

“Excluindo os Combustíveis e lubrificantes, a balança comercial atingiu um saldo negativo de 1.195 milhões de euros, registando um aumento do défice de 234 milhões de euros em relação a setembro de 2018”, explica o relatório do organismo de estatística.

No trimestre terminado em setembro verifica-se uma subida das importações face aos 0,5% registados no período terminado em agosto e da queda de 3,6% das exportações. Tendo como enquadramento este período, as exportações para a zona euro aceleraram 2,3%, enquanto para a União Europeia 2,4%. Já a venda de bens para extra-União Europeia tiveram um recuo de 2,3%.

Também no trimestre terminado em setembro, a compra de bens ao países extra-União Europeia recuou 3,2%, enquanto da zona euro e da União Europeia subiram 8,9% e 9,8%, respetivamente.

(Atualizado às 11h35)

Ler mais

Relacionadas

Paragem na refinaria de Sines faz disparar importações de combustíveis em 40% em setembro

A paragem temporária da refinaria “terá também contribuído para o decréscimo de 18,2% nas exportações de combustíveis e lubrificantes”, segundo dados divulgados pelo INE esta sexta-feira.
Recomendadas

Carlos Costa: Instabilidade financeira iria “criar muitos problemas que alimentariam” populismos

Governador do Banco de Portugal voltou a apelar a uma vontade política decisiva para avançar com a conclusão da União Bancária e o desenvolvimento da União dos Mercados de Capitais, a fim de fortalecer a estabilidade da zona euro.

Trichet: Lagarde vai fazer “um bom trabalho” e Centeno tem uma “grande responsabilidade” no Eurogrupo

Antigo presidente do Banco Central Europeu diz que a nova responsável pela política monetária da zona euro “tem todas as qualidades necessárias para ser uma muito boa presidente, uma muito boa líder”.

Trichet alerta: “Podemos ter novos choques a nível global”

Antigo presidente do Banco Central Europeu avaliou a atual resiliência da economia da zona euro como mais forte do que em 2007, mas deixou o aviso: “isso não significa que devemos ser complacentes”.
Comentários