Impostos: receita aumentou 2 mil milhões de euros até novembro

O aumento de 5,4% da receita fiscal nestes 11 meses de 2018, acima do ritmo de crescimento da despesa (3,3%) não impediu que as contas públicas voltassem a registar défice, mas contribuiu para que o valor agora observado, de 624 milhões de euros, represente uma melhoria de 1,4 mil milhões de euros face ao período homólogo.

O Estado arrecadou 39,8 mil milhões de euros em impostos entre janeiro e novembro, mais 2,0 mil milhões de euros do que em igual período do ano passado, segundo a síntese de execução orçamental divulgada hoje pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).

O aumento de 5,4% da receita fiscal nestes 11 meses de 2018, acima do ritmo de crescimento da despesa (3,3%) não impediu que as contas públicas voltassem a registar défice, mas contribuiu para que o valor agora observado, de 624 milhões de euros, represente uma melhoria de 1,4 mil milhões de euros face ao período homólogo.

Segundo detalha a DGO, a receita fiscal registou um aumento de 2.025,8 milhões de euros, totalizando 39.831,1 milhões de euros em impostos até novembro.

O crescimento da receita fiscal é maioritariamente explicado pelo comportamento do IVA, IRS e IRC – os três impostos mais relevantes em termos de receita.

Do lado dos impostos diretos, o IRC registou um acréscimo homólogo de 519,0 milhões de euros (11,3%), totalizando 5,1 mil milhões de euros.

Entre janeiro e novembro, a receita do IRS ascendeu a 11,3 mil milhões de euros, o que reflete um aumento de 463,9 milhões de euros (4,3%) face ao mesmo período do ano passado.

A contribuir para a subida da receita do IRS está o efeito do pagamento das progressões na carreira dos funcionários públicos – que começaram a ser descongeladas de forma faseada em janeiro – e o pagamento de uma única vez do subsídio de Natal dos funcionários públicos e dos pensionistas da Caixa Geral de Aposentação.

Recorde-se que este foi o primeiro ano, desde o início desta década, em que o 13.º mês foi processado integralmente num único pagamento.

O efeito do subsídio de Natal ainda será sentido na receita fiscal de dezembro pelo facto de ser este o mês em que os pensionistas da Segurança Social o recebem.

Entre os impostos indiretos, o maior contributo para o aumento da receita fiscal veio do IVA, cuja receita aumentou 827,8 milhões de euros para os 15,6 mil milhões de euros.

O Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos (ISP) chegou a novembro com uma receita total de 3,1 mil milhões de euros, o que reflete um aumento homólogo de 53,4 milhões de euros – acima do valor homólogo que tinha sido observado em outubro.

O Imposto sobre Veículos (ISV) aumentou 2,0% por comparação com o registado no mesmo período de 2017, mas perdeu força face ao ritmo verificado no mês anterior.

Entre os vários impostos que contribuem para a receita fiscal do Estado, apenas o que incide sobre o tabaco continua com uma quebra homóloga, seguindo a linha que já se tinha observado em meses anteriores.

Ler mais
Relacionadas

Depois de dois meses de excedente orçamental, Estado volta a registar défice nas AP

Pagamento dos subsídios de natal em novembro contribuiu para o aumento da despesa, anulando o excedente orçamental registado até outubro.
Recomendadas

REN vai propor que dividendo se mantenha em 17,1 cêntimos

Para a REN, este valor, que se mantém desde 2013, está em linha com a “política de dividendos anunciada no último Capital Markets Day”.

Lucros da REN recuam 8,1% para 115,7 milhões de euros em 2018

REN anunciou redução dos lucros em 2018 e justificou a quebra com a subida da taxa de imposto.

Marcelo promulga lei da Paridade

Presidente da República indicou preferir que a alteração sobre legislação eleitoral não fosse submetida a promulgação a pouco menos de seis meses de eleição a que se aplica.
Comentários