Imprensa europeia destaca vitória do PS mas não esquece Tancos e chegada do “Vox português” ao parlamento

“A extrema-direita conseguiu invadir a Assembleia da República”, escreve o jornal espanhol “El Mundo”. Já o diário francês “Le Fígaro” diz que o futuro da coligação de esquerda no parlamento português “é mais incerto”.

A imprensa europeia destacou esta segunda-feira o resultado das eleições legislativas em Portugal, nomeadamente a reeleição – sem maioria absoluta no parlamento – do Partido Socialista (PS) e a queda histórica da direita tradicional. Os jornais internacionais escrevem que António Costa foi reeleito, mas terá que formar um governo minoritário caso não obtenha apoio de outros partidos.

A “BBC” recordou hoje o discurso do líder socialista, que disse estar feliz com o resultado e que os eleitores portugueses “mostraram que querem estabilidade”, garantindo que iria governar com “determinação” e “responsabilidade”. No entanto, a cadeia televisiva britânica lembra ainda o caso Tancos, que manchou a popularidade do PS nas últimas semanas: “A popularidade dos socialistas foi atingida por uma série de escândalos, incluindo acusações de nepotismo e um encobrimento suspeito de roubo de armas numa base militar”.

“Costa disse que os eleitores portugueses mostraram que desejam que o seu partido continue seu pacto com dois partidos de extrema-esquerda – o Bloco de Esquerda e os comunistas. Com ambos a pedir mais investimentos nos serviços públicos, espera-se que Costa renove i seu compromisso de seguir as regras orçamentais da zona euro”, escreve a “BBC”.

O “El Mundo” refere que os socialistas lusos ganharam com mais de 36% dos votos, conquistando uma centena de lugares na Assembleia da República, ao passo que “a direita clássica” [o Partido Social-Democrata e o CDS-PP] colapsou. “A extrema-direita conseguiu invadir a Assembleia da República: à noite, foi confirmado que Chega – o chamado “Vox português” – havia conseguido um lugar, pondo fim ao estado de Portugal como o único país do sul da Europa sem uma presença ultra no parlamento”, assinala também o jornal espanhol.

O diário francês “Le Fígaro” diz que o futuro da coligação de esquerda no parlamento português “é mais incerto” e que António Costa se vê obrigado a reencontrar apoios. “Há quatro anos, essa maioria era tão inesperada que foram os seus opositores que encontraram um nome para ela” [gerigonça], lembra o matutino gaulês. No artigo sobre as eleições em Portugal, o jornal escreve que o ex-autarca de Lisboa, de 58 anos de anos, conquistou 36,65% dos votos e terá, pelo menos, 106 dos 230 lugares no parlamento, contra os 86 em 2015: “Os socialistas estão muito à frente de seus principais oponentes no parlamento, PSD, centro-direita, que caiu para 27,9% dos votos e 77 lugares”.

Relacionadas

Jeremy Corbyn e Pedro Sánchez felicitam António Costa pela vitória nas eleições legislativas

Os líderes socialistas do Reino Unido e Espanha salientaram nas suas mensagens de apoio a António Costa a escolha da maioria do eleiotrado português por um “projeto de esquerdas” e pela “alternativa à austeridade na Europa”.
Recomendadas

Ex-autarca do Porto diz que volumetria do projeto do El Corte Inglés é “absurda”

No mês passado, o Bloco de Esquerda denunciou que a Câmara do Porto “abdicou de 31 mil m2 para espaços verdes no projeto do Corte Inglês na Boavista, por considerar não serem necessários devido à proximidade da Rotunda da Boavista”. Para Nuno Cardoso, “tem uma densidade absolutamente desmesurada”.

PremiumPortugal é um mercado “importante” para a chinesa Oppo

A fabricante de smartphones quer crescer na Europa e vai investir 6 mil milhões em ‘R&D’ em três anos. Em Portugal, “reforçar a presença” deve passar por acordos com operadores e retalhistas.

PremiumEDP Renováveis vai construir centrais eólicas marítimas na Grécia

EDPR forjou parceria com companhia helénica para instalar 1,5 gigawatts nos mares gregos. Esta é a segunda parceria fechada em cinco meses na Grécia.
Comentários