PremiumISQ na corrida para o primeiro satélite 100% português

O ISQ é uma das empresas pontas de lança para colocar Portugal na nova vaga de conquista espacial e consolidar um ‘cluster’ aeronáutico. Satélites, foguetões, bases de lançamento, veículos de reentrada na atmosfera, reatores de fusão nuclear são o admirável mundo novo.

O ISQ – Instituto de Soldadura e Qualidade é uma das empresas nacionais que estão a colocar Portugal bem posicionado na nova corrida ao espaço, contribuindo para a consolidação de um cluster empresarial do setor que poderá ter nas próximas décadas tanta influência e dimensão como o da indústria automóvel e de componentes significou para a economia nacional a partir dos anos 90 do século passado. Além de uma presença de mais de 15 anos nos principais projetos de foguetões espaciais Vega, Soyuz e Arianne, a partir do Centro Espacial Europeu, em Kourou, na Guiana Francesa, o ISQ tem em mãos mais de uma vintena de projetos internacionais.

Em declarações exclusivas ao Jornal Económico, Pedro Matias, presidente do ISQ, revela em primeira mão os pormenores destes projetos, exemplos de uma crescente atividade que levou o grupo de uma faturação de menos de 43 milhões de euros em 2016 para mais de 50 milhões de euros no ano passado. Desde o primeiro satélite 100% português a uma sonda espacial a Marte com revestimento a cortiça, passando pela atividade desenvolvida no acelerador de partículas do CERN ou pelo desenvolvimento de uma asa de avião para a Embraer, sem esquecer o futuro porto aeroespacial em Santa Maria, nos Açores.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

São Tomé e Príncipe: Última fronteira da Covid-19 na lusofonia

Os guias turísticos dizem que é um país de visita obrigatória e os boletins de saúde concordam: é o único da CPLP e um dos raros do mundo onde não há registo da pandemia. O petróleo continua a ser a promessa de uma solução para os problemas. Enquanto não chega, há quem venda outra felicidade: as igrejas evangélicas surgem por todo o lado.

A (outra) hora da Europa?

Ao longo do tempo, cada nação europeia pensou-se como “Europa que baste”, ou humanidade que baste, no pior dos casos. A identidade europeia foi sempre utopia, mas é raro as utopias serem inúteis.

Mercados: A sala (de pânico) passou a ser em casa

A Covid-19 trouxe um duplo desafio aos gestores de salas de mercados e corretagem: o teletrabalho em simultâneo com a volatilidade em níveis máximos. Oito gestores explicam ao JE como operaram uma transição que dizem ter sido suave. Sentem falta do ‘buzz’ da sala, mas realçam que não falta trabalho. Presas em casa, muitas pessoas entram nos mercados à procura de oportunidades em tempos conturbados.
Comentários