PremiumISQ na corrida para o primeiro satélite 100% português

O ISQ é uma das empresas pontas de lança para colocar Portugal na nova vaga de conquista espacial e consolidar um ‘cluster’ aeronáutico. Satélites, foguetões, bases de lançamento, veículos de reentrada na atmosfera, reatores de fusão nuclear são o admirável mundo novo.

O ISQ – Instituto de Soldadura e Qualidade é uma das empresas nacionais que estão a colocar Portugal bem posicionado na nova corrida ao espaço, contribuindo para a consolidação de um cluster empresarial do setor que poderá ter nas próximas décadas tanta influência e dimensão como o da indústria automóvel e de componentes significou para a economia nacional a partir dos anos 90 do século passado. Além de uma presença de mais de 15 anos nos principais projetos de foguetões espaciais Vega, Soyuz e Arianne, a partir do Centro Espacial Europeu, em Kourou, na Guiana Francesa, o ISQ tem em mãos mais de uma vintena de projetos internacionais.

Em declarações exclusivas ao Jornal Económico, Pedro Matias, presidente do ISQ, revela em primeira mão os pormenores destes projetos, exemplos de uma crescente atividade que levou o grupo de uma faturação de menos de 43 milhões de euros em 2016 para mais de 50 milhões de euros no ano passado. Desde o primeiro satélite 100% português a uma sonda espacial a Marte com revestimento a cortiça, passando pela atividade desenvolvida no acelerador de partículas do CERN ou pelo desenvolvimento de uma asa de avião para a Embraer, sem esquecer o futuro porto aeroespacial em Santa Maria, nos Açores.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumSteve Easterbrook: Relação amorosa pôs fim a décadas de dedicação aos hambúrgueres

As regras criadas para evitar casos de assédio sexual puseram fim à carreira fulgurante de um gestor britânico que era adolescente quando descobriu o prazer de comer batatas fritas e batidos num restaurante McDonald’s e acabou por subir a presidente e CEO da empresa.

Premium“Overdose” de horas de trabalho tem efeito nocivo para Portugal

Horários de trabalho prolongados não fazem apenas mal à saúde. São também prejudiciais para a economia, pois inibem a inovação e a melhoria da gestão nas empresas. O economista José Tavares, da Universidade Nova, põe o dedo na ferida: “Estamos viciados em horas extraordinárias. Se as horas extraordinárias fossem uma droga leve, Portugal estaria em ‘overdose’ há décadas.”

PremiumAlina Donets: “Mudanças climáticas estão a afetar os recursos hídricos”

A gestora do Global Water Fund da seguradora Allianz reconhece que existem indícios de que os padrões climáticos estão a mudar, o que tem consequências nos recursos hídricos disponíveis. Ainda sem investimentos em empresas portuguesas, Alina Donets recomenda alterar hábitos de consumo e a via da dessanilização.
Comentários