Infografia | A pandemia deu febre aos ‘stocks’ de dívida pública

A crise económica provocada pela pandemia de Covid-19 não é uma crise das dívidas soberanas, mas obrigou os governos das economias desenvolvidas a aumentar a alavancagem em 2020. Os gastos com as medidas de proteção ou estímulo vão impedir, na maioria dos casos, um regresso aos níveis pré-pandemia já em 2021.

Recomendadas

‘Falcões’ vs ‘pombas’ no BCE. Lagarde vai dar sinal forte, mas tensões devem adiar estímulos

O banco central da zona euro está novamente dividido entre os que querem mais estimulos já e os que preferem aguardar. Christine Lagarde tem espaço de manobra e deverá aguardar até dezembro, quando tiver novas projeções e melhor visão sobre riscos politicos. A mensagem de hoje deverá ser, portanto, de promessa de agir face ao aumento de riscos.

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

O tema em destaque nesta quinta-feira é a reunião com os governadores do Banco Central Europeu. Na Assembleia da República o dia ficará marcado pelas audições ao Tribunal de Contas e ao ministro da Ciência sobre o Orçamento do Estado para 2021. O INE vai publicar estatísticas relativamente às empresas, ao turismo e desemprego.

Corrida à liderança da OCDE gera tensões entre EUA e Europa

A nomeação para o cargo poderá, segundo alguns analistas e políticos próximos da organização, definir o futuro da globalização. As diferentes preferências europeias e americanas podem levar a mais um foco de tensão entre os dois blocos, sendo que, caso Joe Biden vença, levanta-se a questão sobre a sua escolha para o cargo, que deverá diferir da expressa pelo presidente Trump.
Comentários