“Ingerência” ou “acusações falsas”? Caso do procurador europeu divide Parlamento Europeu

Apenas o grupo político europeu que integra o PS aceitou sem reservas as explicações do Governo português. O grupo político do PSD e CDS-PP diz que “disparates destes são próprios de outras latitudes” e que é preciso investigar o caso. Já o GUE/NGL, onde está o BE e o PCP, não se opõe à nomeação, mas lamenta “trapalhada grave” que ameaça manchar a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

A polémica em torno da nomeação de José Guerra esteve esta quarta-feira em discussão no Parlamento Europeu. O Governo garantiu que “não houve interferência política” e assegurou que a escolha de José Guerra foi “independente” e “transparente”, mas as explicações da secretária de Estados dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, não convenceram todos os eurodeputados.

Da “condenação” do PPE (grupo político onde estão representados o PSD e o CDS-PP) ao “tremendo choque” o grupo Renovar a Europa, passando pelo pedido dos Verdes de “salvaguardar institucionais” e de que o parecer do júri europeu se torne vinculativo, apenas o S&D (que integra o PS) aceitou sem reservas as explicações do Governo português. O GUE/NGL (onde está o BE e o PCP) não se opõe à nomeação, mas lamenta “trapalhada grave” que ameaça manchar a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE).

Disparate não joga a favor da presidência europeia, diz PPE

“Entristece-me ter de condenar o comportamento do Governo português mas os factos são irrefutáveis. O Governo português mentiu ao Conselho sobre a qualificação de um dos candidatos à Procuradoria Europeia. Por causa essa mentira tomou-se uma decisão que não deveria ter sido tomada”, disse o eurodeputado espanhol Esteban González Pons, do Partido Popular Europeu (PPE), onde estão representados o PSD e CDS-PP.

Segundo o vice-presidente do PPE, “este tipo de disparates são próprios de outras latitudes” e “não jogam a favor da presidência portuguesa do Conselho da UE”. Esteban González Pons disse ainda que nem sabe o que é pior, “a desculpa de erros administrativo ou a teoria da conspiração internacional anti-portuguesa”, e pediu à Comissão Europeia para investigar o caso.

Também do PPE, a eurodeputada alemã Monika Hohlmeier, que preside à comissão parlamentar de Controlo Orçamental, defende que “a procuradoria Europeia tem de ser independente devido à sua própria natureza” e “os procuradores nomeados devem ser independentes”. “Dar preferência a determinados candidatos é inaceitável e não há qualquer base transparente para a nomeação. Isso é algo muito errado e peço que isto mude”, disse.

O PPE pediu ainda uma investigação ao caso e apelou ao Governo português para que assuma a “sua responsabilidade perante os portugueses e a União Europeia”. “As mentiras devem acarretar consequências”, referiu.

S&D nega ingerência: “Se isto fosse esta uma batalha naval e diria que foram três tiros na água”

Em defesa do Governo português saiu a Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas (S&D), onde o PS está representado. A eurodeputada Isabel Santos garantiu que “não houve interferência política” no processo de nomeação e, ainda de lhe ser silenciado o microfone, acusou o PPE de integrar “os verdadeiros urdidores desta campanha de desinformação, uso único objetivo é atingir a presidência portuguesa do Conselho da UE”.

O eurodeputado Pedro Silva Pereira assegurou também que o processo foi transparente e disse que “uma coisa são dúvidas legitimas e de boa fé sobre a transparência das nomeações do Conselho nas nomeações dos procuradores europeus, outra são as acusações falsas”. “Hoje sabe-se que esse parecer [do júri europeu] não é vinculativo e que também não foi seguido por outros países”, mencionou, referindo-se à Bélgica e a Bulgária.

“Acusaram o Governo de fazer uma nomeação política mas hoje está esclarecido que o procurador português não foi escolhido pelo Governo, mas sim por um órgão independente. Disseram que a decisão do Conselho foi determinada por mentiras e erros no currículo do candidato, mas hoje sabe-se que o currículo junto ao processo não tinha erros e que o fundamento da decisão do Conselho não se baseou em quaisquer erros”, explicou.

“Se isto fosse esta uma batalha naval e diria que foram três tiros na água, porque isto não passa de um caso artificial”, ironizou.

Esquerda apoia nomeação e lança críticas ao PPE

Também a Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde, onde estão o Bloco de Esquerda e o PCP, saiu em defesa do Governo português. A eurodeputada comunista Sandra Pereira referiu que o grupo político que integra não se opõe à seleção feita pelas autoridades portuguesas e que lhe reconhece “melhor competência quando à escolha do procurador europeu a indicar para Portugal”.

Ainda assim, reconheceu que o processo está marcado por “discrepâncias entre o currículo do candidato escolhido pelo Governo português e o documento que acompanhava esse currículo” e que “importa saber em que fundamentação o Conselho Europeu se baseou para nomear o procurador indicado por Portugal”. “É necessário averiguar o que se passou e prevenir que tal situação volte a acontecer”, atirou.

“Esclareça-se esta situação a bem da transparência e do rigor. Mas não contem connosco para o empolamento desta questão tem por detrás numa agenda política”, acrescentou.

Já o bloquista José Gusmão sublinhou que o processo de nomeação “foi adequado”: “o nome que foi proposto por Portugal para a Procuradoria Europeia corresponde ao primeiro nome selecionado pelo Conselho Superior do Ministério Público”. Mas a “trapalhada grave que ocorreu com a prestação de informações falsas no currículo desse candidato deve e já teve consequências políticas”.

E num recado ao PPE e aos partidos português que o integram (PSD e CDS-PP), sugeriu que “olhem para a sua própria bancada e para o Fidesz que a integra”, e que “parem de fazer alianças com a extrema-direita em Portugal porque é mais nesse terreno que se joga o futuro da democracia no nosso país e na Europa”.

Renovar a Europa diz que nomeação foi um “tremendo choque”

A eurodeputada holandesa Sophie in ‘t Veld, que integra o grupo Renovar a Europa, disse que foi um “tremendo choque” a nomeação de José Guerra, mas salientou que Portugal não foi o único país que não acatou as recomendações do comité de peritos europeu (também a Bélgica e a Bulgária não o fizeram). “Portugal, Bélgica, Bulgária e todo o Conselho puserem em causa o funcionamento da Procuradoria Europeia”, referiu.

Para Sophie in ‘t Veld, “não havia qualquer razão” para estes país se afastarem da recomendação dos peritos, a menos que quisesse “criar emprego para os amigos”. E salientou: “Precisamos de uma total transparência de Portugal. Portugal tem de dar toda a informação para esclarece a questão e o Conselho tem de explicar com clareza sobre o processo e recomendamos a que se comprometa a nunca mais se desviar da lista sugerida para evitar situações deste tipo”.

Pelo Renovar a Europa, o romeno Dragoş Tudorache acrescentou que é preciso “garantir que os fundos europeus não são gastos de uma forma fraudulenta e que não chegam aos bolso errados” e que, nesse aspeto, “a Procuradoria Europeia é muito importante”. “Para garantir a independência, tanto de Bruxelas como das capitais europeias, os procuradores têm de ser nomeados respeitando as normas”, frisou.

Verdes pedem “salvaguardar institucionais” e quem parecer vinculativo

Pelo Grupo dos Verdes/Aliança Livre Europeia (partido que o PAN integrava, até à saída de Francisco Guerreiro do partido), a eurodeputada belga Saskia Bricmont defendeu que a Procuradoria Europeia tem “poderes de inquérito e de acusação”, em crimes de corrupção e fraude, e por isso é necessário “as salvaguardas institucionais” para haver garantias da sua independência.

“De Portugal, espera-se que, enquanto presidência em exercício, dê o exemplo e siga os peritos para que a Procuradoria Europeia possam lutar contra a fraude e corrupção sem riscos de interferência do política”, disse, sublinhando que o seu grupo político vai lutar para que “passe a ser vinculativa” o papel dos peritos europeus e a classificação final dos candidatos, na decisão dos procuradores europeus.

O alemão Daniel Freund sublinhou ainda que “a Procuradoria Europeia deve ser uma ferramenta para se combater a fraude e corrupção” e que deve ter “pessoas competentes para levar a cabo a sua missão”, mas “o Conselho não quer que seja bem sucedida”. “Não há bom financiamento e três Governos interferiram com o processo de nomeação”, referiu, apontando o dedo ao Conselho Europeu e à Comissão.

Ler mais
Relacionadas

Governo garante em Bruxelas que “não houve interferência política” na nomeação do procurador europeu

A secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, reconheceu, no Parlamento Europeu, que houve “erros lamentáveis” no processo de nomeação de José Guerra para procurador europeu, mas garante que escolha foi “independente” e “transparente”.

Provedoria de Justiça Europeia considera “preocupante” polémica nomeação do procurador europeu

Numa carta enviada ao eurodeputado Nuno Melo, a Provedoria de Justiça Europeia concorda com as questões levantadas pelo dirigente democrata-cristão e pede que sejam tomadas “as devidas diligências”, junto do Conselho e da Comissão Europeia, para que possa intervir no processo.

Costa diz que se pode “orgulhar” de ter sido o seu “Governo que juntou Portugal” à Procuradoria Europeia

António Costa classificou a Procuradoria Europeia como “fundamental” para “combater a corrupção e assegurar a boa gestão dos dinheiros europeus”, assinalando “que até ao meu governo, Portugal tinha-se recusado a juntar-se a esse mecanismo de cooperação reforçada”.
Recomendadas

Autárquicas: IL vai reunir-se com Moedas e quer PSD e CDS libertos de “hábitos socialistas”

O líder do PSD, Rui Rio, anunciou esta semana o ex-comissário europeu Carlos Moedas como candidato à Câmara de Lisboa nas próximas autárquicas, um “nome forte”, segundo o presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, e que reuniu “um sólido consenso entre as direções do CDS e do PSD”.

Fundadores da Tendência Esperança e Movimento desfiliam-se do CDS-PP

Abel Matos Santos e Luís Gagliardini Graça, que foram fundadores da Tendência Esperança em Movimento do CDS-PP, desfiliaram-se do partido. Abel Matos Santos chegou a integrar a atual direção executiva de Francisco Rodrigues dos Santos.

Autarcas independentes exigem alterações à lei eleitoral até 31 de março

Autarcas eleitos por movimentos independentes exigiram hoje que, até 31 de março, seja feita “a alteração das inconstitucionalidades” provocadas pelas modificações introduzidas em 2020, pelo PS e PSD, na lei eleitoral autárquica.
Comentários