Iniciativa Liberal diz que detenção de Luís Filipe Vieira remete para casos de “promiscuidade” entre sector financeiro e poder político

O partido lembrou ainda o primeiro-ministro e o presidente da Câmara Municipal de Lisboa integraram a comissão de honra da recandidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica.

Lusa

A Iniciativa Liberal (IL) considera que a detenção de Luís Filipe Vieira deve ser entendida no âmbito de outros “exemplos de promiscuidade” e “sentimento de inimputabilidade” entre o sector financeiro e o poder político, que lembram outros casos como o do BES/Novo, do BCP e da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

“São várias operações que tiveram como consequência a delapidação de recursos dos contribuintes e que se inseriram num plano mais vasto e que, por consequência, deixam feridas reputacionais que dificultam a vida da maioria de empresários honestos que são também vítimas do chamado capitalismo de compadrio, que tem sido um impeditivo para que Portugal tenha uma economia livre e pujante”, refere a IL.

O partido liderado por João Cotrim de Figueiredo adverte para a necessidade de estender as investigações e aplicar a justiça a todos os intervenientes com responsabilidades nos negócios, incluindo reguladores e políticos, e lembra ainda o primeiro-ministro, António Costa, e o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, integraram a comissão de honra da recandidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica.

Em comunicado, considera ainda “essencial que o tempo da justiça chegue com celeridade e com eficiência, contribuindo para o fortalecimento das instituições e para uma sociedade mais transparente e mais credível”.

O presidente do Benfica passará a noite no Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, em Moscavide, depois de ter sido detido por suspeitas de crimes de abuso de confiança, burla qualificada, falsificação, fraude fiscal e branqueamento, segundo o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

Recomendadas

Covid-19: Açores exigem teste negativo à chegada a passageiros do estrangeiro

Quanto aos passageiros provenientes do continente ou da Madeira, vão ter de apresentar o certificado digital de vacinação ou recuperação da Covid-19 ou, no caso de não terem nem um nem outro, um teste negativo realizado até 72 horas antes do embarque para os Açores.

Um terço dos concelhos sem acesso a farmácias com testes gratuitos (com áudio)

A Associação Nacional de Farmácias (ANF) a par com a Associação de Farmácias de Portugal (AFP) admitem que em muitos casos as farmácias não têm equipas para dar resposta ao número de testes necessários, segundo o “Jornal de Notícias”.

Madeira ultrapassa 14.000 casos positivos de Covid-19

A Madeira tem 780 casos ativos de coronavírus, 63 são importados e 717 de transmissão local. 42 pessoas estão hospitalizadas (40 em unidades polivalentes e duas em cuidados intensivos).
Comentários