Iniciativa Liberal propõe taxa única de IRS de 15% para rendimentos acima de 650 euros

A proposta do partido liderado por Carlos Guimarães Pinto visa a simplificação fiscal, garantindo que “os melhores talentos ficam no país” e as empresas tenham uma maior facilidade em aumentar salários.

“É chocante viver num país que, ao que tudo indica, teve um ministro e, possivelmente, alguém acima dele, que viu um incêndio que matou dezenas de pessoas e a primeira coisa que pensou foi: como é que vamos disfarçar isto? Que golpe de teatro vamos criar para não perder votos?”

O Iniciativa Liberal vai incluir no programa eleitoral para as eleições legislativas a proposta de uma taxa única de IRS de 15% para rendimentos acima de 650 euros. A proposta do partido liderado por Carlos Guimarães Pinto visa a simplificação fiscal, garantindo que “os melhores talentos ficam no país” e as empresas tenham uma maior facilidade em aumentar salários.

Caso consiga eleger deputados, o Iniciativa Liberal compromete-se a ir buscar uma medida que fez uma grande sucesso na Estónia: a criação de uma taxa única de IRS. O partido defende que o nível de isenção fiscal aumentaria “200 euros por cada filho ou 400 euros para famílias monoparentais” e seriam eliminadas parte das deduções e burocracias relacionadas com o preenchimento da declaração de IRS.

Na Estónia, a economia cresceu a mais do dobro do ritmo da portuguesa desde a introdução da taxa única sobre os rendimentos, tendo ultrapassado a de Portugal, em 2017. Outros países como a Irlanda e a Eslováquia também já optaram por sistemas com apenas duas taxas, o que, de acordo com os dados da Pordata, foi benéfico para o crescimento da economia dos países implicados.

“Com o argumento da progressividade, o que o actual sistema tem feito é impossibilitar as empresas de subir o salário líquido dos trabalhadores, impedindo assim a retenção dos melhores talentos no país e o crescimento da economia. Chegou a hora de mudar isso”, indica Carlos Guimarães Pinto.

Recomendadas
TAP Portugal

TAP. Governo diz que está a ser avaliada hipótese da companhia aérea fazer “outro tipo de rotas”

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, explica que a possibilidade ganhou força devido às alterações no mercado devido à pandemia da Covid-19 e ao aumento da frota da empresa que está “inativa”.

Diploma do Chega sobre incompatibilidade de políticos retirado do plenário pelo Governo

Presidência da Assembleia da República avisou gabinete de André Ventura que o Executivo não autorizou o arrastamento do seu projeto de lei para ser discutido em conjunto com proposta de lei sobre contratação pública. “O Governo não achou bem o projeto e passou por cima do presidente da Assembleia da República”, protestou o deputado único do Chega.

Efacec: Estado não vai assumir responsabilidade pelas dívidas de Isabel dos Santos, garante Governo

O Executivo socialista acredita que “grande parte” da dívida da empresária angolana aos bancos que financiaram a sua entrada na Efacec (Montepio, BPI e BIC) “está perdida” porque o valor da indemnização que vai resultar da avaliação que o Governo vai fazer “não será suficiente para amortizar a totalidade dessa dívida”.
Comentários