Iniciativa Liberal quer impedir “injeções adicionais” do Estado no Fundo de Resolução

O deputado da Iniciativa Liberal, João Cotrim Figueiredo, anunciou hoje, na tomada de posse como presidente do partido, um projeto de resolução “no sentido de impedir qualquer injeção adicional de dinheiro do Estado no Fundo de Resolução da banca”.

joão_cotrim_figueiredo_iniciativa_liberal_legislativas
Miguel A. Lopes/Lusa

O discurso de tomada de posse de João Cotrim Figueiredo, que era candidato único à liderança do partido, encerrou hoje a III Convenção Nacional da Iniciativa Liberal (IL), que decorreu em Pombal, distrito de Leiria.

Na intervenção, que durou pouco mais de cinco minutos, o deputado anunciou uma iniciativa parlamentar que dará entrada já na segunda-feira no parlamento.

“O dinheiro dos impostos, o nosso dinheiro não pode servir nem para financiar o despesismo do Estado, nem para cobrir prejuízos privados”, justificou.

“Portugal precisa da IL porque não nos vamos calar perante os escândalos deste socialismo de compadrio que tanta confusão gera entre dinheiro público e interesses privados”, criticou.

O deputado João Cotrim Figueiredo foi hoje eleito presidente da Comissão Executiva da Iniciativa Liberal, uma candidatura única que recolheu 96% dos votos na III Convenção Nacional do partido.

Recomendadas

Costa avisa Comissão Executiva da TAP que plano de rotas “não tem credibilidade”

O primeiro-ministro afirmou hoje que a Comissão Executiva da TAP tem o dever legal de “gestão prudente” e “não tem credibilidade” um plano de rotas sem prévia informação sobre a estratégia de reabertura de fronteiras de Portugal.

PS assinala “vontade inequívoca” do Governo de reforçar funções sociais do Estado e fazer investimento público

José Luís Carneiro encerrou a ronda de dois dias de reuniões do Governo com os partidos representados na Assembleia da República para debater o Programa de Estabilização Económica e Social.

Chega sugere “redução de despesas supérfluas do Estado”

Um dos exemplo apresentados por André Ventura para a redução de despesas do Estado é o corte “no número de organismos desnecessários quer no continente quer na regiões autónomas”
Comentários