PremiumInício da recessão é a última incógnita da incerteza global

Europa é a economia menos preparada para enfrentar uma recessão mundial, antecipam os analistas. Mas nenhum sabe dizer quando começará a tempestade que a travagem do “motor alemão” faz temer.

Bloomberg

No passado dia 14 assistiu-se ao sell-off dos principais índices da bolsa de Nova Iorque, que registaram perdas na casa dos 3%. A lógica económica explica que a debandada dos investidores das cotadas norte-americanas se deveu à inversão da curva dos juros. Nesse dia de verão, as temperaturas subiram quando, ainda que temporariamente, as yields da dívida soberana norte-americana a dois anos ficaram acima das yields da dívida a dez anos. Este fenómeno – que os mercados encaram com um sintoma de recessão – não acontecia desde 2007. Mas, segundo os analistas consultados pelo Jornal Económico, o sell-off terá sido apenas o reflexo do pânico dos investidores.

“Creio que ainda estamos longe de uma recessão global”, frisa Carsten Brzeski, economista-chefe do banco ING Alemanha. “Ao invés, estamos a testemunhar a desaceleração da economia global e a estagnação da economia da zona euro”.

Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), o crescimento da economia mundial está em contração desde 2017. E, em julho, o FMI reviu em baixa a expansão económica global para 3,2% neste ano.

Artigo publicado na edição semanal de 23 de agosto de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Governo e Liga de futebol vão reunir para discutir descida do IVA

O secretário de Estado da Juventude e do Desporto disse hoje que vai reunir na terça-feira com a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) para discutir uma possível redução do IVA para espetáculos desportivos.

CIP promove projeto para pôr mais mulheres na liderança

Projeto “Promova” pretende identificar e desenvolver talentos femininos com potencial de liderança, tendo como objetivo de fomentar a ascensão na gestão de topo das empresas.

Angola: Orçamento Geral do Estado vai hoje a votos

A proposta final global prevê mais receitas e despesas para 2020. Dos 15,9 biliões de kwanzas (29,3 mil milhões de euros) consagrados, cerca de metade. é para pagar a dívida pública que é neste mo momento e 90% do Produto Interno Bruto angolano.
Comentários