Deputados rejeitam pedido de Armando Vara para não comparecer na Assembleia da República

Os deputados da comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD) recusaram esta terça-feira o pedido de Armando Vara para não comparecer na audição agendada para esta semana.

No pedido, o ex-administrador do banco público, que está preso em Évora, invocava “a situação em que se encontra” e falta de acesso a informação.

Todos os deputados concordaram, no entanto, na manutenção da vinda de Armando Vara ao parlamento na sexta-feira.

O presidente da comissão parlamentar, Luís Leite Ramos, disse que os serviços da comissão de inquérito analisaram o pedido de Armando Vara e lembrou que, tal como Joaquim Barroca, na qualidade de arguido o ex-gestor poderá invocar o segredo de justiça e remeter-se ao silêncio.

Numa declaração, o deputado do PSD Duarte Pacheco reconheceu a escassez de informação invocada por Armando Vara para realizar o pedido, mas recordou que esta situação afetou também outros antigos administradores da CGD e sublinhou que o que será necessário na audição do ex-gestor será a sua memória.

“Precisamos sobretudo da memória do doutor Armando Vara. Espero que a sua memória esteja melhor do que a de outras pessoas que já estiveram nesta comissão”, disse.

Armando Vara – que se encontra detido desde janeiro deste ano após condenação no processo Face Oculta – foi nomeado administrador da Caixa Geral de Depósitos em 2006, para a equipa presidida por Carlos Santos Ferreira, tendo ambos depois transitado para o BCP em 2008.

O também ex-ministro Adjunto e da Juventude e Desporto do segundo governo de António Guterres é ainda um dos 28 arguidos da Operação Marquês.

Dos arguidos deste processo, foram já ouvidos na comissão parlamentar de inquérito à CGD Joaquim Barroca e Diogo Gaspar Ferreira.

Em 29 de maio foi dado a conhecer que o ex-primeiro-ministro José Sócrates, também arguido na Operação Marquês, responderá por escrito às questões dos deputados da comissão.

Na Operação Marquês estão também envolvidos Ricardo Salgado, Carlos Santos Silva, Henrique Granadeiro, Zeinal Bava, Bárbara Vara (filha de Armando Vara), Helder Bataglia, Rui Mão de Ferro e Gonçalo Ferreira, empresas do grupo Lena (Lena SGPS, LEC SGPS e LEC SA) e a sociedade Vale do Lobo Resort Turísticos de Luxo.

Ler mais
Relacionadas

Inquérito/CGD: Armando Vara pede para não ir à comissão de inquérito

A situação de estar atualmente preso em Évora por tráfico de influência “inviabiliza, objetivamente, a necessária preparação sobre os assuntos que possam estar em causa na sua inquirição”, de acordo com os advogados de Vara, da sociedade Capitão, Rodrigues Bastos, Areia & Associados (CRBA).
Recomendadas

Práticas de mobilidade que potenciem a conciliação entre planos profissional, pessoal e familiar vão ser premiadas

Novo concurso do IMT será lançado amanhã e visa distinguir iniciativas que disponibilizem soluções de mobilidade de base local – dinamizadas por autarquias, associações, IPSS ou empresas – que permitam facilitar a conciliação entre a vida profissional, pessoal e familiar.

Ramalho Eanes avisa que partidos e sociedade “abrem portas à corrupção”

Segundo o conselheiro de Estado, primeiro Presidente da República eleito após o 25 de abril de 1974, essa é uma ameaça decorrente do fracasso da “capacidade de construção política e institucional da democracia”, o que “abre portas à demagogia e ao engano, à corrupção, ao justicialismo e ao populismo”.

Nós, Cidadãos! celebra quarto aniversário como “novo centro” que usa “braço direito” e “braço esquerdo”

Projeto de coligação Aliança de Cidadãos é o caminho apontado para iniciar “projeto de união dos partidos emergentes do centro político para desafiar 45 anos de alternância dos governos PSD-PS”.
Comentários