Inquérito/Energia: PCP quer que fique claro que há rendas excessivas e identificar os responsáveis

O deputado do PCP Bruno Dias apresentou hoje em conferência de imprensa no parlamento, em Lisboa, as propostas de alteração que o partido enviou à versão preliminar do relatório da comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas aos produtores de eletricidade, cujo relator é o bloquista Jorge Costa.

O PCP pretende explicitar no relatório da comissão de inquérito que existem rendas excessivas na energia, resultado da política energética de governos PS, PSD e CDS, e quer elencar as responsabilidades das entidades reguladoras, Comissão Europeia e parlamento.

O deputado do PCP Bruno Dias apresentou hoje em conferência de imprensa no parlamento, em Lisboa, as propostas de alteração que o partido enviou à versão preliminar do relatório da comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas aos produtores de eletricidade, cujo relator é o bloquista Jorge Costa.

“A existência de rendas excessivas não é negada por ninguém, à exceção da EDP e das pessoas a quem a EDP recorreu ao longo deste tempo. Então a questão que se coloca é da caracterização concreta e objetiva dessas rendas excessivas, da sua origem, das suas causas e da responsabilização política daqueles que devem ser apontados na intervenção que tiveram nestes processos, incluindo a Assembleia da República, a Comissão Europeia e as entidades reguladoras”, adiantou.

Os comunistas propõem assim que “seja acrescentado um ponto de abordagem relativamente às conclusões sobre a existência, as causas e as responsabilidades das chamadas rendas excessivas no setor elétrico”, um novo ponto de conclusões, com seis itens, sendo “o primeiro a existência de rendas excessivas, a confirmação no concreto de que elas existiram e existem”.

“Em segundo lugar a causa primordial dessas rendas excessivas, como temos vindo a chamar à atenção, a privatização do setor, o seu desmembramento, a liberalização nesta área”, disse.

Como terceiro item, segundo Bruno Dias, o partido quer que fique claro que as rendas excessivas foram “resultado da política energética de sucessivos governos PS, PSD e CDS”.

“Um quarto ponto sobre a grave violação do princípio constitucional de subordinação do poder económico ao poder político democrático, a promiscuidade entre interesses públicos e interesses privados e as chamadas portas giratórias e indícios de corrupção”, acrescentou.

As responsabilidades das entidades reguladoras – Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) e Autoridade da Concorrência (AdC) -, da Comissão Europeia e do parlamento são outros dos aspetos que o PCP quer ver explanados no relatório final.

“Nós consideramos que este relatório deve ser objetivo, claro, concreto, rigoroso e é esse o contributo que queremos dar”, justificou.

Questionado sobre o sentido de voto dos comunistas no relatório final, Bruno Dias começou por explicar que “não existe ainda um apuramento sobre o acolhimento das propostas dos vários partidos”, que tinham até domingo para apresentar as suas propostas.

“O mais certo é termos um relatório que será não igual, mas diferente daquele que está hoje do nosso conhecimento e por isso é mesmo impossível quem quer que seja dizer que vai votar assim ou assado o relatório tal como ele há de ficar”, afirmou.

O deputado do PCP insistiu no “desafio e na responsabilidade”, deixando um apelo: “que não se perca a oportunidade para que o trabalho desenvolvido pela CPI seja consequente, vá ao fundo das questões e que aponte as conclusões e as responsabilidades tal como elas têm que ser”.

Ler mais
Recomendadas

Brexit: saída sem acordo é praticamente inevitável

Saída de Theresa May da chefia do governo britânico e da frente de negociações do Brexit mudará alguma coisa? Aparentemente não, até porque o seu sucessor só pode ser da linha dura dos conservadores. E Bruxelas já não quer saber do assunto para nada.

Fórum do BCE de ‘despedida’ de Draghi esta segunda-feira em Sintra

O último Fórum do Banco Central Europeu (BCE) com Mario Draghi na liderança começa na segunda-feira, em Sintra, e decorre até quarta-feira, sob o mote dos 20 anos da zona euro.

Catarina Martins quer que PS aprove “valorização salarial”

Catarina Martins salientou que “os salários em Portugal são baixos demais no setor público como no setor privado”, observando que o crescimento da economia “não é acompanhado por um crescimento proporcional dos salários”, o que provoca “desigualdades crescentes de rendimentos”.
Comentários