Insolvências com aumento superior a 26% nos primeiros cinco meses de 2021

As declarações de Insolvência Requerida por terceiros tiveram um crescimento de 43,4% nos primeiros cinco meses do ano. Já as declarações de Insolvência Apresentada pelas próprias empresas escalaram 3,4%.

A Iberinform, filial da Crédito y Caución, apontou que os primeiros cinco meses de 2021 ficaram marcados por um aumento de insolvências superior a 26%.

Em comunicado é sublinhado que “as insolvências registaram um crescimento de 3,3% em maio último, face ao período homólogo do ano passado. O mês fechou com 528 insolvências, mais 17 que em maio de 2020. Em valores absolutos, o acumulado é de 2.438 insolvências, uma variação de mais 505 insolvências e um crescimento homólogo de 26,1%”.

As declarações de Insolvência Requerida por terceiros tiveram um crescimento de 43,4%, com mais 152 ações. Já as declarações de Insolvência Apresentada pelas próprias empresas escalaram 3,4%, com uma variação de mais 16 ações face ao período homólogo de 2020.

Segundo a Iberinform, Porto e Lisboa são os distritos com mais insolvências, com 602 e 568, respetivamente. Face a 2020, verifica-se um crescimento de 46,4% em Lisboa e de 24,6% no Porto. Quanto aos encerramentos efetivos, Foram registados 1.430 o que traduz um incremento de 30,5% face ao ano anterior. Os encerramentos com plano de insolvência ascenderam a 25 (mais 13,6%).

Recomendadas

Novo Banco: PSD contraria Mourinho Félix quanto à retransmissão de obrigações de 2015

Acusando o antigo governante socialista de dizer “coisas que contradizem os factos”, Hugo Carneiro contrariou a versão de Mourinho Félix quanto à subida dos juros após a retransmissão de obrigações em 2015, dizendo que esta aconteceu sim após a apresentação do Orçamento do Estado de 2016.

Resolução do BES seria sempre preferível à liquidação, defende Vítor Constâncio

Vítor Constâncio reiterou que “naquela circunstância, naquele momento, com aqueles dados finais do final de julho, não havia outra alternativa melhor do que encaminhar-se para um processo de resolução”.

António Horta-Osório condecorado pela rainha Isabel II com título de ‘Sir’

O antigo presidente-executivo do banco Lloyds foi reconhecido pela monarca pelo “serviço importante para os contribuintes do Reino Unido nos últimos 10 anos, liderando o Lloyds Banking Group da beira do colapso de volta à lucratividade”. 
Comentários