Instituições financeiras mundiais prometem 66 mil milhões para África até 2025

Além das DFI dos países do G7, também o BAD, o Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento e o BEI fazem parte deste grupo de entidades financeiras cuja principal vocação é financiar projetos que conduzam ao desenvolvimento dos países onde são lançados.

As instituições do G7 para o financiamento do desenvolvimento, o Banco Africano de Desenvolvimento e vários bancos europeus anunciaram esta segunda-feira que vão investir 80 mil milhões de dólares até 2025 em África para apoiar o crescimento.

“O anúncio [relativo aos 66 mil milhões de euros] é uma ajuda bem vinda para apoiar os objetivos de desenvolvimento a longo prazo das economias africanas que foram impactadas negativas pela crise”, lê-se num comunicado divulgado hoje em Abidjan, a sede do BAD, e no qual se aponta que “esta é a primeira vez que as instituições financeiras para o desenvolvimento (DFI) se juntaram para anunciar um compromisso coletivo no continente africano.

No comunicado enviado à Lusa, pormenoriza-se que além das DFI dos países do G7, também o BAD, o Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento e o Banco Europeu de Investimento fazem parte deste grupo de entidades financeiras cuja principal vocação é financiar projetos que conduzam ao desenvolvimento dos países onde são lançados.

“O Fundo Monetário Internacional estima que a África subsaariana precisa de financiamento adicional de 425 mil milhões de dólares [350 mil milhões de euros] até 2025 para ajudar a fortalecer a resposta à pandemia em termos de despesa pública e redução da pobreza na região”, lê-se no texto, que surge no dia seguinte ao fim da reunião do G7, que decorreu durante o fim de semana em Carbis Bay, no sudoeste de Inglaterra.

Cada DFI tem o seu próprio critério de investimento que está alinhado com uma avaliação sobre a necessidade de atingir um impacto no desenvolvimento em vários setores, explica o BAD, salientando o “importante papel que estas entidades têm em ajudar a construir mercados, mitigar o risco e abrir caminho para outros investidores entrarem em novos mercados”.

As DFI do G7 são as francesas CDC e Proparco, as japonesas JICA e JBIC, a norte-americana DFC, a canadiana FinDev, a DEG, da Alemanha, e a CDP, em Itália.

Recomendadas

Angola com queda de 3,4% do PIB no primeiro trimestre

Governo angolano prevê que a economia do país saia este ano da recessão que enfrenta desde 2016, registando um ligeiro crescimento de 0,1%, ao passo que o Fundo Monetário Internacional antecipa uma recuperação de 0,4%.

Angola encaixou 756 milhões de euros com exportação de petróleo em junho

As vendas globais de petróleo em junho ascenderam assim a 2.320 milhões de dólares (1.969 milhões de euros), que por sua vez representaram receitas fiscais para o Estado angolano no valor de 572.949.521.082 kwanzas (756.348.594 milhões de euros).

Standard Bank anuncia “continuidade” após punição do Banco de Moçambique

O banco disse ainda que “continuará a dialogar e a trabalhar com o Banco de Moçambique para esclarecer todas as alegações sobre a sua suspensão do mercado cambial e salvaguardar os interesses dos clientes e todas as partes interessadas”.
Comentários