Investidores do Banco Popular avançam com ação judicial sobre o colapso do banco

Os investidores do Banco Popular vão avançar com uma ação judicial sobre o colapso do banco espanhol, depois de este ter sido comprado pelo seu rival Santander, por apenas um euro.

Depois de 7 dias em queda na bolsa e do ultimato de Bruxelas, no âmbito de um esquema de resolução do Mecanismo Europeu de Resolução, 100% do capital social do Banco Popular foi adquirido pelo Santander, que apesar de ter lançado um plano de compensação de mil milhões de euros na semana passada, não impediu que os investidores do banco espanhol avançassem com uma ação judicial.

A firma de advogados que representa cerca de dois mil investidores do Banco Popular considera de louvar a atitude do Santander em avançar com um regime de compensação, mas afirma que isso não impede que avancem com uma ação em tribunal contra as outras partes, tais como os Reguladores Europeus e a antiga administração do Banco Popular.

Dos cerca de dois mil investidores, apenas dois desistiram de avançar com a ação judicial, depois do anúncio do regime compensatório do Santander.

Para Javier Cremades, um dos advogados que representa os investidores, em declarações ao Financial Times, o Santander não é “a causa do dano” para os investidores do Banco Popular e o regime “aliviará a dor de um grupo significativo de acionistas”, mas “de qualquer forma não vai parar o litígio a nível europeu e local” contra outras partes.

O advogado relembra que o Santander ainda pretende avançar com um aumento de capital de cerca de sete mil milhões de euros, com o objetivo de fazer face ao impacto desta aquisição.

 

Ler mais

Recomendadas

PremiumNovo Banco anuncia hoje prejuízo de cerca de mil milhões de euros em 2019

O Novo Banco apresenta hoje as contas que justificam a chamada de 1.037 milhões ao Fundo de Resolução. O banco teve prejuízos de cerca de mil milhões, mas o lucro recorrente é de 170 milhões.

PremiumComissões representam um terço das receitas dos bancos nacionais

Limitações propostas na cobrança de comissões podem levar a despedimentos na banca. Setor tem maior desequilíbrio na concorrência entre bancos e novos ‘players’ digitais na captação de clientes.

Aprovadas propostas do BE e PSD que proíbem comissões no processamento do crédito

Do BE, as propostas (uma para crédito ao consumo e outra para crédito à habitação) que proíbem os bancos de cobrarem comissões por processamento de prestações de crédito foram aprovadas com votos contra da Iniciativa Liberal, a abstenção de PS, PSD e CDS-PP e votos a favor das restantes bancadas.
Comentários