Investidores esperam para ver em semana decisiva

Para o resto da semana espera-se bastante mais ruído e movimento, tendo em conta que alguns pesos pesados irão divulgar resultados, tais como: Amazon, Facebook, Twitter, Microsoft, Tesla,  Coca Cola, Procter & Gamble, United Technologies, Verizon, Lockheed Martin e eBay.

Como era esperado devido ao feriado que manteve encerradas várias praças importantes a nível global, Wall Street registou ontem um movimento muito abaixo do habitual, que atirou a sessão para o topo das que registaram menos transacções em 2019, com apenas 5,79 biliões de volume transaccionado, bem abaixo dos 7 biliões de média. Poucos negócios que continuaram a gerar um traço que tem sido muito característico nestas últimas semanas, refiro-me ao da quase estagnação ao nível das variações com o dia de ontem a ter no ganho de 0,22% no Nasdaq a maior expressão de volatilidade, ao passo que o S&P500 se ficou por uma subida de 0,1%. Na véspera de um dilúvio de anúncios de resultados nos próximos quatro dias que vão incluir cerca de 140 empresas do principal índice mundial, os motivos para pegar no mercado foram igualmente escassos.

Assim sendo o sentimento dos investidores navegou ao vento de algumas notícias de segundo plano, que provocaram apenas variações sectoriais, mas que no final se anularam resultando no dia de marasmo. Do lado positivo estiveram as energéticas, que com uma valorização de 2.05% lideraram nos ganhos do S&P500, ao passo que as imobiliárias recuaram um pouco mais de -1% devido à queda verificada nas vendas de casas novas nos EUA, que ao caírem -4,9% no mês de Março contrastou de sobremaneira com o ganho de 11,2% registado em Fevereiro. Já as energéticas seguiram a liderança do crude, que ganhou quase 3% para os $65.70 por barril no WTI, depois da Casa Branca ter referido que não irá autorizar a compra de crude por parte de outros países, reforçando assim o embargo em vigor, decretado por Trump e em contraponto com o acordo que tinha sido alcançado pelo anterior presidente dos EUA.

Para o resto da semana espera-se bastante mais ruído e movimento, tendo em conta que alguns pesos pesados irão divulgar resultados, tais como: Amazon, Facebook, Twitter, Microsoft, Tesla,  Coca Cola, Procter & Gamble, United Technologies, Verizon, Lockheed Martin e eBay.

O gráfico de hoje é do Nasdaq, o time-frame é Semanal

O índice tecnológico está agora numa zona de um potencial duplo topo, ou do início de mais uma perna do Bull market, os próximos dias deverão ser decisivos quanto ao futuro de médio prazo de Wall Street.

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários