Investidores mais ricos estão preocupados com a guerra comercial e as eleições americanas, segundo UBS

Relatório do UBS Global Wealth Management revela que estes investidores esperam um grande ‘sell-off’ até ao fim do ano.

Os investidores mais ricos estão mais cautelosos para o próximo ano, embora se revelem mais otimistas para a década que arranca em 2020, segundo um relatório da UBS Global Wealth Management.

O “Investors Watch”, publicado esta terça-feira, revela que a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China é a principal preocupação geopolítica para os 3.400 investidores inquiridos a nível global pela UBS, mas também as eleições norte-americanas agendadas para o próximo ano levantam preocupações aos investidores.

“O ambiente geopolítico em rápida transformação é a maior preocupação para os investidores globais”, explica Paula Polito, diretora de estratégia para clientes da UBS Global Wealth Management, em comunicado, acrescentando que “estes vêem a interconectividade e repercussão das mudanças a ter impacto nos seus portefólios mais do que os  fundamentos tradicionais de negócios”.

Uma maior volatilidade do mercado é esperada por 79% dos investidores mais ricos e 72% caracterizam o ambiente de investimento como mais desafiador do que há cinco anos.

Segundo o estudo, 25% dos ativos dos investidores mais ricos estão em dinheiro, com 60% a admitir que consideraria apostar mais nessa opção.

Apesar de se mostrarem mais cautelosos para o próximo ano, 69% dos inquiridos sinalizaram estarem otimistas sobre a próxima década e 80% a manifestarem interesse em diversificar os portfólios de investimento.

Ler mais

Recomendadas

Altri e Navigator impulsionam PSI 20 no fecho da sessão

Praça lisboeta fechou a sessão desta sexta-feira com uma subida de 0,86% para 5.172,86 pontos, seguindo a tendência das congéneres europeias.

Emprego norte-americano dá ânimo a Wall Street

Em novembro, foram criados 266 mil novos postos de trabalho nos Estados Unidos, 47% acima das estimativas, que apontavam para a criação de 180 mil novos empregos. A taxa de desemprego caiu mais do que o era esperado, para os 3,5% – previsa-se que ficasse nos 3,6%, idêntica à taxa registada no mês de outubro.

Wall Street sem gás à espera de dados económicos

Um número que a ser alcançado não belisca a ideia bem estabelecida nos analistas de que é a força do mercado de trabalho que está a sustentar o crescimento económico.
Comentários