Investidores reagem bem à evolução da Covid-19 em Nova Iorque e impulsionam Wall Street

Pelo segundo dia consecutivo, o ritmo de novos casos confirmados e do número de mortes manteve-se ligeiramente inalterado face a dias anteriores, segundo disse o governador, Andrew Cuomo, demonstrando que as medidas do lockdown estão a surtir efeito.

Traders work on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) shortly before the closing bell in New York, U.S., January 6, 2017. REUTERS/Lucas Jackson

Dia de ganhos em Wall Street com os principais índices da bolsa de Nova Iorque a registarem ganhos que se prolongaram ao longo da sessão.

Esta segunda-feira, o industrial Dow Jones disparou 7,78%, para 22.689,43 pontos; o S6P 500 valorizou 6,72%, para 2.655,93 pontos; e o tecnológico Nasdaq avançou 7,33%, para 7.913,24 pontos.

A impulsionar o sentimento do mercado esteve as recentes notícias em torno da Covid-19 nos estado norte-americano de Nova Iorque que estará próximo do pico.

Pelo segundo dia consecutivo, o ritmo de novos casos confirmados e do número de mortes manteve-se ligeiramente inalterado face a dias anteriores, segundo disse o governador, Andrew Cuomo, demonstrando que as medidas do lockdown estão a surtir efeito.

Também a suportar o sentimento esteve uma nova vaga de estímulos económicos da Reserva Federal norte-americana. O “Wall Street Journal” noticiou que o banco central assim como o Tesourou norte-americano poderão lançar um programa de compra de dívida, adquirindo o crédito que os bancos concedem às empresas durante a pandemia. Este crédito será concedido ao abrigo de uma medida de 350 mil milhões de dólares, numa inserida dentro do pacote de dois biliões de dólares anunciado pela administração de Donald Trump.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo prossegue as quedas. Nos Estados Unidos, o West Texas Intermediate afunda 7,34%, para 26,26 dólares. Em Londres, o barril de Brent, referência mundial, cai 3,02% para 33,08 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Optimismo levanta moral dos Bulls e Wall Street agradece

Ao nível dos sectores do S&P 500 os ganhos são transversais e com bastante relevância em quase todos, com excepção das retalhistas de produtos essenciais.

Wall Street impulsionada por comentários de Trump no Twitter sobre Covid-19

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou no Twitter que “há luz ao fundo do túnel” depois de o estado de Nova Iorque ter reportado menos mortes devido à Covid-19 no domingo.

Mercados: A sala (de pânico) passou a ser em casa

A Covid-19 trouxe um duplo desafio aos gestores de salas de mercados e corretagem: o teletrabalho em simultâneo com a volatilidade em níveis máximos. Oito gestores explicam ao JE como operaram uma transição que dizem ter sido suave. Sentem falta do ‘buzz’ da sala, mas realçam que não falta trabalho. Presas em casa, muitas pessoas entram nos mercados à procura de oportunidades em tempos conturbados.
Recomendadas

Credores privados dizem que cobrar juros é essencial para manter ‘ratings’ 

Em causa está a assunção por parte de algumas agências de ‘rating’, como por exemplo a Moody’s, de que se os credores receberem menos do que o inicialmente contratualizado, isso configura um incumprimento financeiro, independentemente das razões e mesmo com o acordo dos credores.

Dados surpreendentes do emprego deram gás a Wall Street

Na última sessão da semana o Dow Jones disparou 3%, mas o recordista foi o tecnológico Nasdaq. O ‘rally’ deveu-se aos ganhos da banca e das companhias aéreas e de cruzeiros, das mais penalizadas durante o confinamento.

CMVM levanta suspensão da negociação das ações da SAD do FC Porto

A decisão surge depois de a SAD anunciar o adiamento do reembolso do empréstimo obrigacionista para 2021.
Comentários